Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 1951, Ingmar Bergman estava em maus lençóis financeiros. Acabado de se casar pela terceira vez aos 33 anos, tinha três famílias para sustentar. As produtoras de cinema suecas encontravam-se em greve, para protestar contra os altos impostos cobrados pelo Estado ao setor dos espetáculos. Os teatros haviam fechado para as tradicionais férias de verão e o seu contrato com o Teatro Municipal de Gotemburgo tinha expirado. Por isso, quando a Unilever sueca lhe propôs filmar nove anúncios à sua marca de sabonete Bris (Brisa), que precisava de mudar de imagem, oferecendo-lhe um gordo cheque, dando-lhe carta branca criativa e o orçamento mais alto da história da publicidade na Suécia, Bergman nem pestanejou. Foi buscar o seu diretor de fotografia Gunnar Fischer e outros técnicos com quem trabalhava nos seus filmes, contratou uma jovem atriz de 15 anos chamada Bibi Andersson para entrar num dos anúncios e meteu mãos à obra.

Anos mais tarde, Bergman escreveria no livro Images: My Life in Film: “Originalmente, aceitei os anúncios do Bris para salvar a minha vida e a dos meus familiares. Mas na verdade isso era secundário. A razão real para os fazer foi porque me deram toda a liberdade e dinheiro e podia fazer exatamente o que queria com a mensagem do produto. E sempre senti dificuldade em ter ressentimentos quando a indústria se precipita para a cultura com um cheque na mão. Toda a minha carreira no cinema foi paga pelo capitalismo privado. Nunca consegui viver só à custa dos meus lindos olhos! Enquanto patrão, o capitalismo é brutalmente honesto e bastante generoso — quando acha que isso será benéfico. Nunca devemos duvidar daquilo que valemos no dia a dia — é uma experiência útil que nos torna mais fortes.”

https://youtu.be/LoswO7bl_mA

Feitos em 35 mm, para serem exibidos nos cinemas, os nove anúncios ao sabonete Bris foram rodados com o mesmo equipamento e em condições de produção exatamente iguais à de um filme de longa-metragem. Ingmar Bergman era o único senhor a bordo, com controlo total no estúdio, dos argumentos à montagem, e aproveitou a oportunidade para fazer experiências, brincar com forma e conteúdos e exibir o seu sentido de humor, enquanto fazia sempre passar a mensagem publicitária contratada: mostrar o sabonete Bris como o melhor e mais eficaz do mercado (“Mata as bactérias!”), usado por pessoas que sabem o que é bom (a classe média com rendimentos confortáveis) e não querem ser socialmente proscritas por terem odor corporal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao mesmo tempo que cumprem a sua função comercial, os nove anúncios são variados, inteligentes, originais, brincalhões e cheios de fantasia, e o realizador usou-os para testar ideias que poria em prática em filmes futuros. Num deles, Bergman parodia a novidade dos filmes em 3D, que detestava; outro, começa numa corte do século XVIII, que se revela ser um filme projetado numa parede do estúdio, passando a câmara para  a locutora que está a fazer a narração daquele, e do anúncio; noutro, aparece um teatrinho de marionetas, um dos motivos do cinema do realizador, e semelhante a um que teve quando era criança; outro começa num hospital que é afinal um cenário de um estúdio onde vai ser rodado um anúncio… Ao sabonete Bris; outros incluem sonhos, cinema mudo, atores disfarçados de bactérias e de sabonete a lutar. E há um ainda que alinha imagens aparentemente sem nexo, mas tudo faz sentido no fim.

https://youtu.be/d3eG7iwx2MQ

Segundo notou o crítico sueco Frederik Gustaffson, especialista na obra de Ingmar Bergman, nestes nove anúncios, ele “desconstrói o ato de fazer cinema, usando todos os truques à sua disposição para nos enganar e deliciar”. E enquanto todos têm a mesma mensagem, “Comprem Bris, o sabonete antibactérias, livre, saudável e fresco”, têm também “diferentes cenários e modos de execução”. Bergman claramente divertiu-se a fazê-los, ao mesmo tempo que mostrava o seu génio visual e o seu consumado perfeccionismo, e metia no bolso um cheque que lhe resolvia os problemas de liquidez. A qualidade e o impacto destes anúncios terá mesmo levado a que conseguisse financiamento para os seus filmes seguintes, caso de “Mónica e o Desejo” ou “Sorrisos de Uma Noite de Verão”

A marca Bris acabaria por ser retirada do mercado sueco pela Unilever alguns anos depois, e Ingmar Bergman nunca mais voltaria a filmar anúncios publicitários. Mas o valor e o interesse cinematográfico destes nove são tão grandes como a sua capacidade de persuasão. É que Bris, originalmente chamado Luz do Sol, era um sabonete com pouca reputação na Suécia e associado às classes trabalhadoras (“Bom para lavar as mãos e o macacão do mecânico da oficina onde levamos o carro a consertar”, como disse Anders Roennqvist, co-realizador de um documentário sobre os nove anúncios). Mas publicitado em celulóide por Bergman, Bris parece digno de uma estrela de cinema, como os do seu mais famoso e finaço primo Lux.