Moscovo

Tem forma de chama e 87 pisos: o Centro de Lakhta, o maior edifício da Europa, está quase pronto

102

O Centro de Lakhta, em São Petersburgo, Moscovo, está desde 2012 a ser construído, é o maior edifício da Europa e considerado um dos dez arranha-céus mais amigos do ambiente.

Seis anos depois do início da sua construção, o Centro de Lakhta, o maior edifício na Europa, está quase pronto. A torre de 462 metros e 87 pisos, localizada no distrito de Primorsky, em São Petersburgo, na Rússia, está prestes a tornar-se o primeiro edifício “supertall” da cidade — considerado assim por ter 300 metros ou mais de altura.

A sua estrutura, dizem os criadores à CNN, foi pensada para ser “como uma agulha sinuosa”, girando 90 graus desde a base até ao topo. No topo do arranha-céus os ventos podem soprar até 137 quilómetros por hora e, por isso, a estrutura é estabilizada por 15 colunas de perímetro que redistribuem o peso longe do seu núcleo central. Para imaginar melhor a sua dimensão: foram utilizados 16.500 vidros na torre.

Até uma altura de 360 metros estará o espaço residencial e comercial e acima uma plataforma de observação e um restaurante que vão permitir aos visitantes uma vista do Golfo da Finlândia. Até ao final de 2019, estima-se que o arranha-céus esteja pronto.

O Centro de Lakhta vem substituir a Torre da Federação de Moscovo como o edifício mais alto da Europa e começou a ser construído em 2012 para servir como sede da empresa de gás russa, Gazprom. A torre foi, aliás, projetada com a silhueta de uma chama, uma característica que identifica a imagem da empresa.

O percurso não foi fácil. Já desde 2006 que a Gazprom olhava para São Petersburgo como o local para a sua nova sede. Primeiro, lançou um projeto para construir a torre no centro da cidade, mas encontrou resistência dos moradores locais, que afirmavam que o projeto iria arruinar o coração da cidade, Património Mundial da UNESCO desde 1990.

Depois de anos de debate, a Gazprom acabou por encontrar uma área a cerca de oito quilómetros a noroeste do centro da cidade. Segundo Philip Nikandrov, um dos arquitetos envolvidos no projeto, a empresa vai ocupar “cerca de um terço da área total”, estando o restante espaço reservado para instalações públicas que incluem uma sala multifuncional, uma área de retalho, centros médicos e de ginástica e um museu de ciência com um planetário.

O edifício caracteriza-se também por ser ecológico e um dos dez arranha-céus  mundiais mais amigos do ambiente. A fachada dupla da torre vai permitir reduzir o consumo e o aquecimento e ar condicionado a 50%. Além disso, haverá também um sistema expresso de metro ligeiro no distrito, juntamente com um sistema de transporte de água na costa do Golfo da Finlândia.

(Veja a fotogaleria acima com algumas imagens do interior e exterior da torre)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)