Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ao fim de menos de quatro horas de deliberação, um homem da área de Detroit foi condenado por abuso sexual de uma mulher de 22 anos que viajava a seu lado num voo da Spirit Airlines — um voo em que o acusado viajava acompanhado pela sua esposa.

Prabhu Ramamoorthy, o homem de 35 anos e origem indiana, trabalhava como gestor de projeto numa empresa tecnológica há mais de dois anos e estava nos EUA com um visto de trabalho. Agora, Ramamoorthy enfrenta uma possível sentença de prisão perpétua. Caso a decisão seja mais branda, o homem será deportado no final da sua sentença.

Esta condenação veio sete meses depois do ataque que teve lugar num voo noturno entre as cidades de Las Vegas e Detroit a 3 de janeiro, junto da sua mulher. A vítima explicou que se encontrava sentada do lado da janela, ao lado de Prabhu Ramamoorthy, e que a mulher se encontrava ao seu lado, no lugar junto ao corredor. Durante o voo, acordou com a sua camisa aberta e a mão do homem dentro das suas calças.

“Nós não toleraremos o comportamento de qualquer um que se aproveite de vítimas que estão numa posição vulnerável, e estamos contentes que o júri tenha concordado. Agradecemos a vítima neste caso pela sua coragem de falar.”, afirmou em comunicado o procurador encarregue do caso, Matthew Schneider.

Inicialmente o homem afirmou à polícia que se encontrava num estado de “sono profundo” durante o voo e de que não se recordava onde tinha colocado as mãos. Posteriormente viria a admitir as acusações feitas pela jovem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR