Panteão Nacional

Sociedade Portuguesa de Autores quer Zeca Afonso no Panteão Nacional

2.237

"É esta homenagem que Portugal deve a quem como mais ninguém o soube cantar em nome dos valores da liberdade, da democracia, da cultura e da cidadania", defende a Sociedade Portuguesa de Autores.

Os restos mortais do músico José Afonso, “uma das figuras mais marcantes da história da vida cultural e artística portuguesa”, devem ser trasladados para o Panteão Nacional, propôs a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) num comunicado divulgado esta terça-feira.

“É este o tributo e é esta homenagem que Portugal deve a quem como mais ninguém o soube cantar em nome dos valores da liberdade, da democracia, da cultura e da cidadania”, lê-se no comunicado.  Assim, a SPA “assume publicamente o compromisso de lutar por este legítimo e inadiável ato de consagração que deverá coincidir com os 90 anos do nascimento [de José Afonso] e com os 45 anos do 25 de Abril”.

“Além do compromisso que assumiu com as suas canções na luta pela liberdade e pela democracia, tendo estado preso em Caxias em abril e maio de 1973, Zeca Afonso merece ter os direitos da sua obra preservados e edições que representem o seu extenso e inigualável repertório”, justifica.

O ano passado, no âmbito dos 30 anos da morte de José Afonso (1929-1987), debateu-se o facto de ser desconhecido o paradeiro das bobinas originais de gravação de José Afonso. Na altura, o Ministério da Cultura, numa declaração à agência Lusa, afirmou que era “importante a preservação” do património fonográfico de José Afonso e disse estar a “apurar o paradeiro das gravações”.

“O gabinete do ministro da Cultura foi informado do interesse na salvaguarda da obra discográfica de Zeca Afonso por parte da Associação José Afonso, nomeadamente das “masters” que pertenceriam à Movieplay [Portuguesa]”, declarou à Lusa fonte oficial.

Também na mesma ocasião, a SPA realçou a “urgência da reedição da obra” de José Afonso, questão sobre a qual alertou o ministro da Cultura, para que obtenha o “estatuto de património cultural”. “O presidente da SPA [José Jorge Letria] propôs ao ministro da Cultura [Luís Filipe Castro Mendes] uma intervenção no sentido de se assegurar a competente e adequada reedição da obra discográfica, por se tratar de uma referência obrigatória da nossa vida cultural e cívica”, indicou a SPA.

No comunicado a SPA reclama, em nome dos autores portugueses, a trasladação dos restos mortais de José Afonso, sepultados em campa rasa no Cemitério de N. S. da Piedade, em Setúbal, e volta a recordar a obra do autor de “A Morte Saiu à Rua” e defende a sua “preservação”, “em articulação com os herdeiros de José Afonso”, “contra a negligência e incapacidade dos editores que a deixaram gravemente dispersa e abandonada”.

“Zeca Afonso é um símbolo que nunca poderá ser esquecido ou ignorado, embora nunca se tenha batido por atos de consagração e de reconhecimento. Devem ser hoje as novas gerações a aplaudir e a louvar a obra do homem que deixou uma marca perene e profunda na vida cultural e cívica de Portugal”, remata.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O Panteão não é para todos? /premium

Paulo de Almeida Sande

Não, o Panteão não pode ser para todos. Primeiro porque não caberíamos lá (mas isso resolve-se). E porque se todos fossemos para o Panteão é como se ninguém fosse para o Panteão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)