Aquecimento Global

Cientistas assustados com primeira quebra de placa de gelo no Árctico

1.476

A placa de gelo a norte da costa da Gronelândia, que era conhecida por se pensar ser um dos últimos redutos contra o aquecimento global, quebrou pela segunda vez este ano devido à onda de calor.

AFP/Getty Images

A região do Árctico está a assustar os cientistas por aquecer a um ritmo duas vezes superior ao resto do planeta. E agora a zona de gelo mais densa e mais antiga — também conhecida como “a última área de gelo” — está este ano a quebrar pela primeira vez desde que há registos, de acordo com o The Guardian.

O gelo do mar a norte da costa da Gronelândia, que era conhecido por se pensar ser um dos últimos redutos contra os efeitos do aquecimento global, quebrou já duas vezes este ano, num fenómeno explicado devido aos ventos quentes e à onda de calor que se verificou no hemisfério norte do planeta.

Este fenómeno é encarado pelos cientistas como “realmente assustador”, por se tratar de uma das poucas áreas antigas do Ártico que não desapareceram. No entanto, com este registo atualizado, os cientistas começam a reequacionar o quanto tempo o gelo do Ártico conseguirá resistir ao aquecimento.

“Quase todo o gelo ao norte da Gronelândia está bastante partido e fragmentado e, portanto, mais móvel”, explicou Ruth Mottram, do Instituto Meteorológico Dinamarquês, ao Guardian. “Os eventos da semana passada sugerem que, na verdade, a última área de gelo pode estar mais a oeste”.

Esta informação poderá ser crítica para as espécies animais que habitam o Árctico, que serão cada vez mais “empurrados” para fora do seu habitat natural devido ao rápido desaparecimento de gelo. O cientista Zack Labe, que partilha com frequência informação acerca da região através da sua conta do Twitter, comentou que a extensão do gelo do mar da Gronelândia está em mínimos recorde durante a maior parte do ano.

As últimas leituras do Norwegian Ice Service mostram que a cobertura gelada na área de Svalbard está 40% abaixo da média daquilo que estaria na mesma altura do ano em 1981. A seguir a tendência que tem vindo a ser registada, as equipas de cientistas prevêem que o Árctico tenha um verão sem gelo algures entre 2030 e 2050.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

O nosso país a afundar /premium

Alberto Gonçalves
1.342

Grosso modo, é Portugal, que se afunda a uma velocidade com que Tuvalu e a Terra e a Time não sonham. E o melhor é que não precisamos de aquecimento global. O descaramento local é suficiente. 

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)