A região do Árctico está a assustar os cientistas por aquecer a um ritmo duas vezes superior ao resto do planeta. E agora a zona de gelo mais densa e mais antiga — também conhecida como “a última área de gelo” — está este ano a quebrar pela primeira vez desde que há registos, de acordo com o The Guardian.

O gelo do mar a norte da costa da Gronelândia, que era conhecido por se pensar ser um dos últimos redutos contra os efeitos do aquecimento global, quebrou já duas vezes este ano, num fenómeno explicado devido aos ventos quentes e à onda de calor que se verificou no hemisfério norte do planeta.

Este fenómeno é encarado pelos cientistas como “realmente assustador”, por se tratar de uma das poucas áreas antigas do Ártico que não desapareceram. No entanto, com este registo atualizado, os cientistas começam a reequacionar o quanto tempo o gelo do Ártico conseguirá resistir ao aquecimento.

“Quase todo o gelo ao norte da Gronelândia está bastante partido e fragmentado e, portanto, mais móvel”, explicou Ruth Mottram, do Instituto Meteorológico Dinamarquês, ao Guardian. “Os eventos da semana passada sugerem que, na verdade, a última área de gelo pode estar mais a oeste”.

Esta informação poderá ser crítica para as espécies animais que habitam o Árctico, que serão cada vez mais “empurrados” para fora do seu habitat natural devido ao rápido desaparecimento de gelo. O cientista Zack Labe, que partilha com frequência informação acerca da região através da sua conta do Twitter, comentou que a extensão do gelo do mar da Gronelândia está em mínimos recorde durante a maior parte do ano.

As últimas leituras do Norwegian Ice Service mostram que a cobertura gelada na área de Svalbard está 40% abaixo da média daquilo que estaria na mesma altura do ano em 1981. A seguir a tendência que tem vindo a ser registada, as equipas de cientistas prevêem que o Árctico tenha um verão sem gelo algures entre 2030 e 2050.