Panteão Nacional

Família rejeita ida de Zeca Afonso para o Panteão Nacional

1.467

Família de Zeca Afonso rejeita ida do músico para o Panteão Nacional. A viúva Zélia Afonso já tinha confessado que desejava que fosse mantida a vontade de Zeca: estar enterrado em campa rasa.

João Relvas/LUSA

A família de Zeca Afonso rejeita que os restos mortais do artista sejam transladados para o Panteão Nacional, segundo um comunicado divulgado esta quarta-feira pela TSF. A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) tinha proposto, também em comunicado, que os restos mortais do músico fossem para o Panteão Nacional, justificando que esta era uma homenagem que Portugal devia a “quem como mais ninguém o soube cantar em nome dos valores da liberdade, da democracia, da cultura e da cidadania.”

Segundo o comunicado, citado pela TSF, a família lembrou que a vontade do artista era não ter honras de Panteão: “José Afonso rejeitou em vida as condecorações oficiais que lhe haviam sido propostas. Foi, a seu pedido, enterrado em campa rasa e sem cerimónias oficiais, em total coerência com a sua vida e pensamento. Por isso, apesar da meritória intenção que inspira a proposta, é a sua vontade que deve ser respeitada.”

A família acrescentou ainda que é fundamental a defesa do espólio e dos direitos de autor de Zeca Afonso “contando para tal com o superior envolvimento do Estado Português e da SPA, nomeadamente para que se garanta a recuperação e preservação das gravações originais.”

A viúva de Zeca Afonso já tinha dado sinais neste sentido. Já esta quarta-feira, Zélia Afonso disse que a sugestão da SPA foi uma “surpresa” e lembrou que “o Zeca pediu que fosse [sepultado] em campa rasa, em Setúbal” e que por isso continuava “determinada” a que assim continuasse. Dizia, no entanto, que haveria mais familiares que se podiam pronunciar sobre o assunto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O Panteão não é para todos? /premium

Paulo de Almeida Sande

Não, o Panteão não pode ser para todos. Primeiro porque não caberíamos lá (mas isso resolve-se). E porque se todos fossemos para o Panteão é como se ninguém fosse para o Panteão.

Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires
180

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)