Fogo de Pedrógão Grande

Plano atualizado contra incêndios aprovado por unanimidade em Pedrógão Grande

A autarquia presidida informou que a atualização do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios foi aprovada pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

PAULO NOVAIS/LUSA

Uma versão atualizada do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no concelho de Pedrógão Grande, foi aprovada por unanimidade pela comissão local do setor, foi esta quarta-feira anunciado.

“A atualização será remetida para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que se pronunciará formalmente sobre a mesma com parecer vinculativo”, revelou a Câmara de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia presidida por Valdemar Alves, eleito pelo PS, em 2017, após ter cumprido um primeiro mandato em representação do PSD, informa que a atualização daquele plano foi aprovada esta semana pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

Esta comissão, liderada pelo presidente da Câmara, inclui ainda o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, representantes das três juntas de freguesia do concelho (Pedrógão Grande, Graça e Vila Facaia), ICNF, GNR, Associação dos Produtores e Proprietários Florestais do Concelho (APFLOR), Infraestruturas de Portugal, EDP e Rede Elétrica Nacional (REN).

O grande incêndio que deflagrou a 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Há dois meses, eram 10 os arguidos, todos pessoas singulares, no inquérito relacionado com os incêndios de Pedrógão Grande, de acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)