Rádio Observador

Angola

UNITA insurge-se contra a versão da História de Angola contada pelo MPLA

A UNITA insurgiu-se contra a versão da História de Angola contada pelo MPLA, lamentando que a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) se tenha "deixado manipular" pelo Governo angolano.

PAULO NOVAIS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Num comunicado de três páginas, divulgado terça-feira e assinado pelo Secretariado Executivo do Comité Permanente, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) reage à decisão, aprovada por unanimidade a 17 deste mês na 38.ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da SADC, de considerar aquela data como feriado regional e como Dia da Libertação da África Austral.

Segundo a argumentação usada na proposta apresentada por Angola, o “23 de março” marca a data do fim da batalha do Cuito Cuanavale, na província do Cuando Cubango (sul de Angola), o maior conflito militar da guerra civil angolana, que decorreu entre 15 de novembro de 1987 e aquele dia de 1988.

O conflito opôs os exércitos das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), apoiado por Cuba, e da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), com apoio da África do Sul.

Para Luanda, o fim da batalha marcou um ponto de viragem decisivo na guerra, incentivando um acordo entre sul-africanos e cubanos para a retirada de tropas e a assinatura dos Acordos de Nova Iorque, que deram origem à implementação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, levando à independência da Namíbia e ao fim do regime de segregação racial que vigorava na África do Sul.

“A UNITA lamenta profundamente o facto de que os chefes de Estado e de Governo da SADC se tenham deixado manipular pelo executivo angolano, movido há muito por interesses não confessados”, lê-se no documento do antigo movimento guerrilheiro, atualmente o maior partido da oposição angolana.

Para a UNITA, as Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), “coligadas” com militares da então União Soviética e de Cuba, tinham como objetivos militares a tomada de Mavinga e da Jamba, na altura bastiões do movimento do “Galo Negro”, tentativa que saiu “frustrada” e “obrigou ao recuo das forças militares atacantes até à margem direita do rio Cuíto, onde se verificou o impasse militar”.

Segundo o movimento então liderado por Jonas Savimbi, foi esta situação que conduziu à retirada das forças militares estrangeiras de Angola, cubanas e sul-africanas, negociada em Nova Iorque, em dezembro de 1988, e às consequentes negociações políticas conducentes à independência da Namíbia, a 21 de março de 1990, ao fim do “apartheid”, na África do Sul, a 17 de março de 1991, e à democratização de Angola por via dos Acordos de Paz Para Angola, firmados em Bicesse, a 31 de maio de 1991.

A História está aí para registar que a batalha do Cuíto Cuanavale não representou o fim da guerra em Angola nem significou a libertação da África Austral. Angola, Zâmbia, Botsuana, Moçambique, Malawi, Tanzânia, a Suazilândia [atual Eswatini], Zimbabué e a própria África do Sul já eram independentes antes dessa batalha”, refere a UNITA no comunicado.

Segundo a versão da UNITA, o processo negocial angolano “teve de passar por novas batalhas militares”, como foi a última campanha para a tomada da Jamba em 1990, “igualmente fracassada”, e também por outros anteriores a Bicesse, como foram os fracassados Acordos de Gbadolite, em que se pretendia o exílio de Savimbi.

“Por tudo isto, é uma mentira grosseira atribuir a libertação da África Austral à batalha do Cuito Cuanavale, que apenas existiu devido ao fracasso da tentativa de tomada da Jamba”, considera a UNITA, acrescentando que o partido “saúda a libertação de toda a África e não apenas da África Austral”.

“A África Austral precisa, acima de tudo, de ser libertada da fome, pobreza e exclusão a que está submetida a grande maioria dos seus povos. Precisa de ser libertada especialmente do fenómeno da delapidação dos seus recursos e do flagelo da corrupção, promovidos e protegidos por alguns dos seus governos que, paradoxalmente, se intitulam de ‘libertadores da África Austral'”, acrescenta-se no documento.

A UNITA adianta “saber o bastante dessa História” para poder afirmar que “a motivação dos líderes angolanos que promoveram, no seio da SADC, a consagração da data de 23 de Março, não se enquadra nas aspirações de liberdade e unidade dos africanos, porque deturpa factos importantes que, a seu tempo, a revelação da verdadeira História cuidará de corrigir”.

“Infelizmente, a deturpação de factos para falsear a História, tem sido um apanágio do partido-Estado angolano [Movimento Popular de Libertação de Angola – MPLA]. Foi assim durante a luta anticolonial, no período de transição para a independência, foi assim em relação ao holocausto angolano que se seguiu ao 27 de maio de 1977 e tem sido também assim durante a governação corrupta de Angola que empobreceu os angolanos nos últimos 40 anos”, acrescenta o partido.

“A UNITA repudia veementemente a atitude do partido-Estado de Angola de deturpar os efeitos determinantes da grande batalha ocorrida nas margens do rio Lomba na mudança do curso da História política da região, e de escolher, em seu lugar, o momento do impasse militar, no local do recuo, a margem direita do rio Cuíto, para simbolizar a libertação da África Austral”, critica.

Por fim, a UNITA lamenta o facto de, “mais uma vez”, “o Executivo angolano e o MPLA “permanecerem virados” para uma governação para o exterior, “prenhe de ‘show-offs'”. “[O Governo angolano e o MPLA] preferem despender milhões de dólares com a organização de competições internacionais enquanto o povo morre de fome, com satélites que não funcionam quando a saúde adoece, com ‘marketing’ de vitórias e heróis inexistentes enquanto prossegue o roubo e a impunidade”, termina.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)