Rádio Observador

Assédio Sexual

Asia Argento. Bennett fala pela primeira vez sobre o alegado assédio

O jovem que acusou a atriz e realizadora de ter tido relações sexuais quando ainda era menor diz que o seu "trauma" reapareceu quando a italiana "se assumiu como vítima".

Getty Images

Jimmy Bennett, o ator que diz ter sido abusado sexualmente, quando era adolescente, por Asia Argento, emitiu um comunicado onde fala pela primeira vez desde que a atriz e realizadora desmentiu as suas alegações. Segundo o The New York Times (NYT), o comunicado foi enviado para alguns órgãos de comunicação social norte-americanos na passada quarta-feira. No documento, Bennett diz que esteve demasiado “assustado e envergonhado” para revelar o sucedido mais cedo, depois do alegado assédio ter acontecido e, mais recentemente, quando a história foi tornada pública.

Eu tentei procurar justiça de uma forma que fizesse sentido no momento porque não estava pronto para lidar com as consequências da minha história tornar-se do conhecimento público”, afirmou o ator. “Na altura acreditava que ainda havia um certo estigma para com homens que se vissem numa situação deste género”. Não imaginava que as pessoas pudessem perceber aquilo que aconteceu a um jovem adolescente”.

No passado sábado, o mesmo The New York Times noticiou que em Novembro, um mês depois de Argento ter-se assumido como uma das porta-estandarte do movimento#MeToo — à conta de ter sido assediada sexualmente por Harvey Weinstein –, Bennett terá lhe enviado uma notificação, avisando de que tencionava processá-la.

O documento em questão descrevia um encontro sexual, ocorrido em maio de 2013, num hotel em Marina del Rey, na Califórnia, quando Bennett tinha apenas 17 anos e Argento 37. A idade do consentimento nesse estado norte-americano é aos 18 anos. Trazia ainda como anexo uma selfie dos dois deitados na cama.

Jimmy Bennett, que começou a representar muito novo e chegou a contracenar com Argento quando tinha 7 anos, dizia no mesmo documento que esse encontro o tinha deixado traumatizado, que o tinha incapacitado de trabalhar. O seu advogado pedia uma indemnização de 3,5 milhões de dólares

A primeira declaração de Asia Argento foi emitida na passada terça-feira e nela a atriz afirmava que não tinha tido relações sexuais com Bennett — “Eu nego veementemente e repudio o conteúdo do rtigo do The New York Times”, afirmou. Uma representante do jornal norte-americano já reiterou que a empresa está “confiante na veracidade” do seu trabalho investigativo, que foi “baseado em documentos e fontes verificadas”.

Na mesma declaração, Argento confirma que pagou uma quantia de dinheiro ao rapaz — o NYT entretanto apurou que foram dados 380 mil dólares. De acordo com a mesma, a quantia de dinheiro foi dada por Anthony Bourdain , seu namorado na altura, e terá sido o mesmo que planeou a estratégia de como lidar com as acusações de Bennett. O pagamento foi feito em tranches, sendo que primeiro foram transferidos 200 mil dólares, em abril, e desde então, Argento tem feito transferências mensais de 10 mil dólares. O dinheiro, afirma a italiana, tinham como intenção ajudar nos problemas financeiros de Bennett.

Entretanto, a polícia de Los Angeles abordou o acusador, pedindo-lhe que apresentasse qualquer indício de que tenha havido uma atividade criminosa. O seu advogado afirma que ainda não responderam a esse pedido.

Jimmy Bennet, que vive em Los Angeles com a namorada, permaneceu em silêncio até à passada quarta-feira. Na declaração que emitiu como forma de falar sobre o sucedido, começa por salutar a coragem de vários homens e mulheres que já falaram em público sobre as suas experiências com o assédio e abuso sexual.

“Inicialmente não contei a minha história porque preferi tratá-la de forma privada, com as pessoas que me fizeram mal”, explica. “O meu trauma reapareceu quando ela se assumiu como vítima”.

Bennett está a apostar agora numa carreira no mundo da música e já assinou, inclusive, um contrato discográfico com a editora criada por Bella Thorne, outro exemplo que alguém que começou a representar ainda muito jovem. Está previsto que a sua primeira digressão comece em setembro. “Já tive de ultrapassar muitas adversidades na minha vida, esta é só mais uma com que vou ter de lidar, eventualmente”, escreveu. “Gostava de esquecer este percalço na minha vida e hoje escolhi seguir em frente, abandonando o silêncio”, terminou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)