Jimmy Bennett, o ator que diz ter sido abusado sexualmente, quando era adolescente, por Asia Argento, emitiu um comunicado onde fala pela primeira vez desde que a atriz e realizadora desmentiu as suas alegações. Segundo o The New York Times (NYT), o comunicado foi enviado para alguns órgãos de comunicação social norte-americanos na passada quarta-feira. No documento, Bennett diz que esteve demasiado “assustado e envergonhado” para revelar o sucedido mais cedo, depois do alegado assédio ter acontecido e, mais recentemente, quando a história foi tornada pública.

Eu tentei procurar justiça de uma forma que fizesse sentido no momento porque não estava pronto para lidar com as consequências da minha história tornar-se do conhecimento público”, afirmou o ator. “Na altura acreditava que ainda havia um certo estigma para com homens que se vissem numa situação deste género”. Não imaginava que as pessoas pudessem perceber aquilo que aconteceu a um jovem adolescente”.

No passado sábado, o mesmo The New York Times noticiou que em Novembro, um mês depois de Argento ter-se assumido como uma das porta-estandarte do movimento#MeToo — à conta de ter sido assediada sexualmente por Harvey Weinstein –, Bennett terá lhe enviado uma notificação, avisando de que tencionava processá-la.

O documento em questão descrevia um encontro sexual, ocorrido em maio de 2013, num hotel em Marina del Rey, na Califórnia, quando Bennett tinha apenas 17 anos e Argento 37. A idade do consentimento nesse estado norte-americano é aos 18 anos. Trazia ainda como anexo uma selfie dos dois deitados na cama.

Jimmy Bennett, que começou a representar muito novo e chegou a contracenar com Argento quando tinha 7 anos, dizia no mesmo documento que esse encontro o tinha deixado traumatizado, que o tinha incapacitado de trabalhar. O seu advogado pedia uma indemnização de 3,5 milhões de dólares

A primeira declaração de Asia Argento foi emitida na passada terça-feira e nela a atriz afirmava que não tinha tido relações sexuais com Bennett — “Eu nego veementemente e repudio o conteúdo do rtigo do The New York Times”, afirmou. Uma representante do jornal norte-americano já reiterou que a empresa está “confiante na veracidade” do seu trabalho investigativo, que foi “baseado em documentos e fontes verificadas”.

Na mesma declaração, Argento confirma que pagou uma quantia de dinheiro ao rapaz — o NYT entretanto apurou que foram dados 380 mil dólares. De acordo com a mesma, a quantia de dinheiro foi dada por Anthony Bourdain , seu namorado na altura, e terá sido o mesmo que planeou a estratégia de como lidar com as acusações de Bennett. O pagamento foi feito em tranches, sendo que primeiro foram transferidos 200 mil dólares, em abril, e desde então, Argento tem feito transferências mensais de 10 mil dólares. O dinheiro, afirma a italiana, tinham como intenção ajudar nos problemas financeiros de Bennett.

Entretanto, a polícia de Los Angeles abordou o acusador, pedindo-lhe que apresentasse qualquer indício de que tenha havido uma atividade criminosa. O seu advogado afirma que ainda não responderam a esse pedido.

Jimmy Bennet, que vive em Los Angeles com a namorada, permaneceu em silêncio até à passada quarta-feira. Na declaração que emitiu como forma de falar sobre o sucedido, começa por salutar a coragem de vários homens e mulheres que já falaram em público sobre as suas experiências com o assédio e abuso sexual.

“Inicialmente não contei a minha história porque preferi tratá-la de forma privada, com as pessoas que me fizeram mal”, explica. “O meu trauma reapareceu quando ela se assumiu como vítima”.

Bennett está a apostar agora numa carreira no mundo da música e já assinou, inclusive, um contrato discográfico com a editora criada por Bella Thorne, outro exemplo que alguém que começou a representar ainda muito jovem. Está previsto que a sua primeira digressão comece em setembro. “Já tive de ultrapassar muitas adversidades na minha vida, esta é só mais uma com que vou ter de lidar, eventualmente”, escreveu. “Gostava de esquecer este percalço na minha vida e hoje escolhi seguir em frente, abandonando o silêncio”, terminou.