Rádio Observador

Educação

Healthline usa o termo “buraco da frente” em vez de “vagina” para ser mais inclusivo

4.897

O site de saúde Healthline, juntamente com a Rede de Educação Gay, Lésbica e Heterossexual (GLSEN) e Advocates for Youth, publicou o Guia LGBTQIA sexo seguro, que expande a atual terminologia sexual.

Getty Images

O site de saúde norte-americano Healthline agitou as redes sociais com a publicação de um guia direcionado para a comunidade LGBTQIA, em que se substitui a terminologia médica “vagina” pelo termo “front hole” (buraco da frente, em português). O autor do guia argumenta no texto original, posteriormente alterado, que o termo deve ser usado por existirem pessoas que não se identificam com a palavra aplicada aos seus genitais pela comunidade médica.

O site de saúde Healthline, juntamente com a Rede de Educação Gay, Lésbica e Heterossexual (GLSEN) e Advocates for Youth, publicou o Guia LGBTQIA Safe Sex, que expande a atual terminologia sexual. Na publicação da Healthline, feita com o propósito de “renovar” o discurso à volta da comunidade LGBTQI, condena os programas de educação sexual, que considera terem sido historicamente “desenvolvidos com base na suposição de que aqueles que recebem informações eram unicamente heterossexuais e cisgêneros” durante os períodos de “homofobia e transfobia desenfreada”.

“Para os fins deste guia, vamo-nos referir à vagina como o “buraco da frente” em vez de usar apenas o termo médico ‘vagina'”, pode ler-se no guia. “Esta é uma linguagem de género inclusiva que considera o fato de que algumas pessoas trans não se identificam com os rótulos que a comunidade médica atribui aos genitais”.

Entretanto, em resposta à polémica, a parte final desse parágrafo foi editada. Afirmando que os termos “buraco da frente” ou o “genital interno”, como alguns membros da comunidade transgénero se referem, servem para uma comunicação aberta com “pessoas de confiança e pessoal médico”, e não para “uma ampla discussão social”.

A origem do termo não é nova. O termo resulta de um estudo publicado pela BMC Pregnancy and Childbirth, onde dez homens transexuais fizeram recomendações de terminologia que pudesse ser alterada com o propósito de, com isso, ser mais inclusiva. No estudo, para além do termo “front hole” em vez de “vagina”, sugere-se a utilização do termo “chestfeeding” (amamentar ao peito) em detrimento de “breastfeeding” (amamentar à mama).

As redes sociais não deixaram escapar a publicação, onde acusaram o guia de desumanizar as mulheres e de deitar fora anos de trabalho em jardins de infância para que as crianças usem a terminologia correta.

Em resposta à atenção mediática gerada pela guia a Healthline publicou uma resposta onde afirmava não ter feito o guia com o propósito de alterar a linguagem científica. “’Buraco da frente’ é um dos vários termos aceites para a genitália que usamos especificamente para certos membros da comunidade trans que se identificam com ele. Em nenhum momento neste guia estamos a afirmar que queremos substituir a palavra νagina. ”, afirma a Healthline.

“O Guia de Sexo Seguro LGBTQIA foi criado para um público específico. Nada no artigo indica que estamos a apoiar uma mudança no palavreado. É claro que o seu propósito é apresentar conteúdo imparcial e apoiado por especialistas para os que buscam a saúde na comunidade LGBTQIA. Simplificando, o nosso propósito ao criar este guia foi fornecer informações sobre sexo seguro para aqueles que são frequentemente deixados de fora dessa conversa”, conclui a mensagem de resposta do site.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa
118

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)