Cinema

“Meg: Tubarão Gigante”: o tubarão pré-histórico mete água por todos os lados

292

O Megalodonte criado por Hollywood com investimento chinês em "Meg: Tubarão Gigante", a superprodução deste Verão, é um monstro marinho que não assusta ninguém. Eurico de Barros dá-lhe uma estrela

Autor
  • Eurico de Barros

No cinema, os tubarões têm duas eras: AS e DS, Antes de Spielberg e Depois de Spielberg. Antes de Spielberg, os tubarões eram apenas animais aquáticos perigosos que apareciam como protagonistas secundários nos filmes de ação, de aventuras e de James Bond. Depois de Spielberg e de “O Tubarão”, de 1975, os tubarões transformaram-se nos monstros marinhos privilegiados do cinema de terror, manifestando-se das mais variadas e fantasiosas formas. Já tivemos, entre muitos outros, tubarões italianos e mexicanos foleiros plagiados de “O Tubarão”, tubarões mutantes, tubarões geneticamente modificados, tubarões-fantasma, tubarões com duas cabeças, tubarões que voam em tornados, tubarões que nadam sob a areia e debaixo do gelo, e tubarões falantes mafiosos nos desenhos animados.

“Meg: Tubarão Gigante”, de Jon Turteltaub, propõe-nos agora o Megalodonte, um tubarão descomunal (18 metros, 50 toneladas) que se extinguiu há alguns milhões de anos e que era o top gun dos predadores dos oceanos no período Miocénico. Não é a primeira vez que esta bisarma pré-histórica aparece no cinema. O Megalodonte já abrilhantou alguns filmes de série Z, daqueles com orçamentos de fome e atores anónimos que saltam diretamente para vídeo, caso de “Megalodon” (2004), “Jurassic Shark” (2012) ou a série “Mega Shark”, que vai em quatro títulos e foi apropriadamente classificada por um crítico de cinema americano como “Mega Crap”. A novidade de “Meg: Tubarão Gigante” é que é feito por um grande estúdio de Hollywood em co-produção com a China, e tem o granítico Jason Statham no principal papel.

[Veja o trailer de “Meg-Tubarão Gigante”:]

Claramente concebido à medida do mercado chinês, desde a presença no elenco em papéis de destaque da cantora e atriz Li Bingbing e de Winston Chao (revelado nos anos 90 por Ang Lee em “O Banquete de Casamento” e “Comer Beber Homem Mulher”) à total ausência de sangue, mesmo nas sequências de deglutição do Megalodonte (e não são poucas), passando pela localização da história na Fossa das Marianas, perto da costa da China, “Meg: Tubarão Gigante” assemelha-se ao produto aberrante de uma fusão falhada do ADN de “Moby Dick”, de “O Tubarão” e de “Parque Jurássico”. E é uma daquelas produções com um corpo gigantesco e uma cabeça atacada de microcefalia. Ou seja, invulgar arcaboiço mas escassa vida cerebral. 

[Veja a entrevista com Jason Statham:]

Enquanto espetador, estou pronto a suspender a descrença e a aceitar, como postula esta fita, que o fundo da Fossa das Marianas não é feito de rocha mas sim de uma substância porosa; que há mais oceano para lá desta, e que nele podem habitar estranhas formas de vida abissal e ter sobrevivido um Megalodonte; e que por ação humana, sob a forma de um mini-submarino de exploração, se tenha aberto uma passagem temporária entre estas duas camadas do Oceano Pacífico, por onde aquele se esgueirou. O que eu já não engulo são as delirantes liberdades que “Meg: Tubarão Gigante” toma com as leis da física e da biologia marinha, pelas quais o Megalodonte se desloca à velocidade de uma lancha de corrida, ou manobre na água, dê saltos e faça acrobacias com toda a agilidade e graça de um golfinho num aquaparque. “Filme de Verão” não tem necessariamente que rimar com “estupidificação”.

[Veja a entrevista com Li Bingbing:]

Além deste tão descarado quanto hilariante abuso da verosimilhança, “Meg: Tubarão Gigante” é um filme que não mete medo. A partir do momento em que o Megalodonte aparece, acabou-se a expectativa, a tensão e a possibilidade de uma gestão mínima do terror, substituídos pelo frenesim repetitivo e pelo exibicionismo dos efeitos digitais. E até estes deixam a desejar, sobretudo nas sequências em que o monstro está em cena, turvas e mal acabadas. Quanto a Jason Statham no papel de Jonas Taylor, o cínico mergulhador especializado em salvamentos a grande profundidade, não é por andar aqui à pancada com um Megalodonte que deixa de ser um poderoso canastrão. Até um prato de choco frito consegue ser mais expressivo e ter maior convicção dramática do que ele.

[Veja a entrevista com o realizador Jon Turteltaub:]

Resumindo e concluindo, “Meg: Tubarão Gigante” mete água por todos os lados. Só que a fita está a secar tudo em redor em matéria de lucros de bilheteira à escala mundial, e é baseada no primeiro de uma série de sete livros de Steve Alten, autor especializado no terror marinho à base de criaturas pré-históricas e cujo herói é o citado Jonas Taylor. Logo, esperem-lhe por mais descerebrados mastodontes aquáticos destes para os verões dos próximos anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)