Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No dia em que completa sete anos como CEO da Apple, Tim Cook recebeu um prémio de 120 milhões de dólares (cerca de 103 milhões de euros) sob a forma de 560 mil ações da empresa na bolsa. O prémio recebido esta sexta-feira é constituído por duas tranches de 280 mil ações: a primeira pelo seu trabalho como CEO e a segunda pelo desempenho da empresa na bolsa.

Metade do prémio dependia assim do cumprimento das metas estabelecidas para a Apple. [frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-apple/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”296″ slug=”lucros-da-apple” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-apple/thumbnail?version=1533292950655&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]A empresa de tecnologia tinha de superar dois terços das empresas que constam na S&P 500 (índice das 500 maiores empresas cotadas na bolsa americana) nos últimos objetivos. Este objetivo foi cumprido, com as ações a dispararem desde agosto de 2017 e com a Apple a tornar-se na primeira empresa americana avaliada em um bilião de dólares no início deste mês.

A concessão restrita destas ações a Tim Cook remonta a 2011, quando sucedeu a Steve Jobs como CEO da empresa. Na altura foram-lhe atribuídas um milhão de ações com a condição de que permanecesse na empresa durante pelo menos uma década.

Ainda não é claro se Cook pretende levantar o valor das ações. No entanto, já tinha anunciado, em entrevista à revista Fortune, que pretendia doar parte da sua fortuna a projetos filantropicos. Na passada terça-feira, o CEO doou 23 mil ações da Apple — no valor de cerca de 4.3 milhões de euros — a instituições de solidariedade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR