Rádio Observador

Twitter

Estudo revela que “bots” e “trolls” russos disseminaram informação falsa sobre vacinas

"Bots" e "trols" russos espalharam informação falsa sobre as vacinas antes e durante as eleições norte-americanas de 2016. Objetivo? Fomentar a discórdia e aumentar a hostilidade.

AFP/Getty Images

Um novo estudo revelou que “bots” — sistemas de inteligência artificial programados para simular ações humanas de uma forma repetida e padronizada — e “trols” russos disseminaram informação falsa sobre as vacinas no Twitter, antes e durante as eleições presidenciais nos EUA, em 2016, que deram a vitória ao republicano Donald Trump.

Segundo o The Guardian, cientistas da Universidade de George Washington fizeram a descoberta por acidente, quando tentavam melhorar as comunicações das entidades de saúde pública nas redes sociais. Ao invés, descobriram a existências de várias contas falsas — pertencentes aos mesmos “trolls” russos que interferiram nas eleições presidenciais norte-americanas –, as quais publicavam tweets a favor e contra as vacinas. Nas mensagens proliferavam insultos direcionados a pessoas de ambas as posições e a pais.

A ideia era aumentar o nível de hostilidade e cimentar a discórdia na sociedade norte-americana, segundo Mark Dredze, professor de ciências da computação no Instituto Johns Hopkins, citado pelo jornal britânico. O académico — que também esteve envolvido no estudo — salienta que a confiança do público na vacinação sofreu uma erosão, potencialmente deixando as pessoas expostas a doenças infeciosas. David Broniatowski, professor assistente na Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da George Washington, disse ao mesmo jornal que a maioria dos norte-americanos acredita na eficácia das vacinas, mas, olhando para o Twitter, “dá a impressão que existe muito debate”.

A descoberta — publicada no American Journal of Public Health — surge numa altura em que a Europa enfrenta um dos maiores surtos de sarampo em décadas: nos primeiros seis meses deste ano contabilizaram-se 41 mil casos (mais do que em todo o ano de 2017).

A participação de “bots” e de “trolls” nas eleições norte-americanas já não são novidade, mas a forma como estes agiram começa a ser compreendida à medida que o tempo passa. Em maio deste ano era notícia que estas ferramentas digitais podem ter contribuído para o resultado do Brexit e da própria eleição de Donald Trump.

As empresas que detêm as redes sociais têm vindo a “limpar” as suas plataformas. Em fevereiro, o Twitter apagou quase 4 mil contas associadas a uma companhia russa com ligações ao Kremlim, a Internet Research Agency. Em abril foi a vez de o Facebook terminar 135 contas da mesma organização — este semana, eliminou outras 650 contas falsas, com ligações à Rússia e ao Irão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)