O governo do Mali proibiu uma manifestação convocada hoje pela oposição do país para protestar contra as eleições presidenciais de 12 de agosto, em que foi reeleito o presidente atual, Ibrahim Boubacar Keita.

Em comunicado, a oposição denunciou que a proibição “não assenta em qualquer razão válida” e sublinhou a intenção de organizar o protesto.

“Reiteramos o nosso compromisso de preservar o caráter pacífico e não violento da marcha”, precisou a mesma fonte, que responsabilizou o governo por qualquer uso da força contra os manifestantes.

A marcha foi convocada pelo líder da oposição Soumaila Cissé, que perdeu a segunda volta das presidenciais de 12 de agosto frente a Keita, reeleito para um segundo mandato de cinco anos.

Segundo os resultados definitivos da segunda volta, Keita obteve 76,16% dos sufrágios, contra 32,84% do rival Cissé, com uma participação de 34,4% do eleitorado.

Desde o início das eleições — cuja primeira volta decorreu a 29 de julho — Cissé contestou os resultados e denunciou fraude e manipulação eleitoral, a favor de Keita.

Keita tomará oficialmente posse do cargo numa cerimónia agendada para 04 de setembro.