Segurança Social

Excedente da Segurança Social aumentou 14,3% até julho para 1.185 milhões de euros

O ministério de José Vieira da Silva destaca o contributo das contribuições para a Segurança Social, que aumentaram 7% em julho (mais 623,6 milhões de euros) face ao mesmo período do ano anterior.

Autor
  • Agência Lusa

O excedente da Segurança Social aumentou 14,3% em julho (mais 148 milhões de euros) face ao período homólogo, totalizando 1.185,1 milhões de euros, revelou esta segunda-feira o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Num comunicado que antecede a síntese de execução orçamental publicada pela Direção Geral do Orçamento (DGO), o ministério de José Vieira da Silva destaca o contributo das contribuições para a Segurança Social, que aumentaram 7% em julho (mais 623,6 milhões de euros) face ao mesmo período do ano anterior.

O crescimento acumulado das contribuições até julho “é superior em 0,8 pontos percentuais ao crescimento acumulado registado no período homólogo (6,2%), beneficiando da melhoria continuada do emprego e das remunerações, e em linha com o previsto no orçamento para 2018”, acrescenta a mesma fonte.

A Segurança Social continua a dar um contributo positivo para a redução do défice orçamental e para a consolidação das finanças públicas”, sublinha o ministério. A receita efetiva aumentou 2,7% até julho em termos homólogos, apesar da redução das transferências do Orçamento do Estado (OE), de menos 387,7 milhões de euros.

Para o aumento da receita da Segurança Social contribuíram também as transferências do Fundo Social Europeu, que aumentaram 38,3% (mais 144,1 milhões de euros). Quanto à despesa, verificou-se um aumento de 1,8% face ao mês homólogo, “o que se explica por dois efeitos opostos”, adianta a tutela.

Por um lado, verificou-se uma redução na despesa de 6,3% com as prestações de desemprego (menos 49,9 milhões de euros) em julho face ao mesmo período do ano passado, com o número de beneficiários a reduzir-se em 11% face ao mês homólogo.

Segundo o ministério, a despesa com pensões e complementos caiu 0,4% (menos 41,4 milhões de euros), o que “resulta em grande parte da alteração do calendário de pagamento do subsídio de Natal que, ao contrário do que aconteceu em 2017, este ano será pago na íntegra em dezembro”.

A evolução desta rubrica reflete ainda a conjugação de dois efeitos, que não ocorreram até julho de 2017: a incorporação da atualização extraordinária de pensões, que se iniciou em agosto de 2017, e a redução parcial nas rubricas de pensões de invalidez que transitaram para a Prestação Social para a Inclusão”, explica a mesma fonte.

Por outro lado, registaram-se acréscimos de despesa em várias prestações sociais, como a prestação social para a inclusão, as prestações de parentalidade, abono de família, subsídio por doença, Rendimento Social de Inserção e Complemento Solidário para Idosos.

Além disso, o ministério assinala o aumento da despesa com transferências para emprego, higiene e formação profissional e com subsídios correntes, relativos à formação profissional e ação social.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires
180

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)