Rádio Observador

Pedro Santana Lopes

Santana quer vencer legislativas: “Não vim para obter um dígito, vim para ganhar”

1.733

Santana Lopes fez várias críticas a Rui Rio, que acusa de aproximação a Costa. Não será candidato às europeias e não deseja ser deputado, pois prefere o Governo. Por isso, quer ganhar legislativas.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Pedro Santana Lopes definiu um objetivo para a Aliança, o novo partido que está a criar: ganhar as legislativas. “Não vim para obter um dígito, vim para ganhar a António Costa“, disse o antigo primeiro-ministro em entrevista à SIC Notícias. E deixou várias indiretas a Rui Rio: “Se os outros não querem ganhar, é com eles. Eu quero ganhar.” Já no final da entrevista — questionado sobre se o objetivo era eleger um eurodeputado nas Europeias ou dois ou três nas legislativas — Santana recusou-se a definir metas concretas.

Santana Lopes reiterou que não será candidato às Europeias e que o lugar de deputado não seria algo que o “fascinasse“. E voltou a apontar à governação: “Gosto de ter poder executivo“. Deu ainda uma garantia: não dará a mão ao PS, caso Costa necessite de maioria após as legislativas. “Acho um erro o Bloco Central“, afirmou.

O antigo líder do PSD atirou também várias farpas a Rui Rio ao longo da entrevista. Desde logo, disse que tentou primeiro, através do antigo partido, ser alternativa ao PS. E por isso quis saber se o PSD “admitia ter uma estratégia com o PS” e uma lógica de Bloco Central. Nessa tentativa de “clarificar” a posição, perdeu para Rio.

Sobre as notícias dos últimos dias, Santana disse que têm sido sobre “charretes e comboios”, aproveitando para voltar a atirar a Rio: “O que me preocupa não é se um comboio da CP pára para o do PS passar, preocupa-me é quem quer entrar no comboio do PS a nível de sistema de poder. E se resigna perante isso”. E, mais à frente na entrevista, voltava a insistir, ao criticar os que têm um “temor reverencial a António Costa“.

Santana Lopes disse ainda — não negando que pretende captar eleitorado do PSD e do CDS — que ficaria realizado se captasse os jovens e quem opta pela abstenção. O antigo primeiro-ministro quer captar os jovens que não se interessam pela política, os que se interessam por séries, pelas novas tecnologias, mas que não ligam aos políticos.

O antigo presidente do PSD admite fazer coligações pós eleitorais com PSD e CDS e fez questão de dizer que não é “anti-PSD” e que o partido do qual está mais próximo, “a seguir à Aliança, é o PSD“. Lembrou ainda que fez várias tentativas para que o partido apoiasse as suas convicções, mas não conseguiu. “As ideias que defendo nos congressos do PSD desde 2000 não tiveram eco no PSD“, lamentou.

Santana Lopes recusou ainda ter traído o partido: “O sistema partidário não é um clube do Estado, não tem cartaz a dizer que é proibida a entrada”. Contou também que “foi muito doloroso sair do PSD”, uma vez que “40 anos não são 40 dias”.

Sobre o momento da saída, Santana diz que enviou uma mensagem escrita a Rui Rio uns dias antes a dizer que ia sair e que o presidente do PSD disse que esperava que não o fizesse. Na véspera da carta aos militantes, Santana falou por telefone com Rio. E ainda enviou uma mensagem a Marcelo Rebelo de Sousa.

Ao longo da entrevista, Santana Lopes sugeriu querer seguir o modelo de Emmanuel Macron em França. Sobre as pessoas a quem se dirige o partido, Santana foi claro: “Não somos duques nem condessas. Somos gente comum, common people.”

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Rui Rio faz a sua Aliança /premium

Rui Ramos
254

Santana Lopes saiu do PSD para fundar um partido novo. Rui Rio ficou, mas também ele está a fundar um partido novo, só que dentro do PSD. Os dois novos partidos têm as mesmas características.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)