Rádio Observador

Reino Unido

Brexit. Reino Unido ambiciona ser o maior investidor do G7 em África

Theresa May disse que o Governo britânico utilizará o orçamento de ajuda internacional para apoiar o empresariado britânico a aprofundar trocas comerciais e investimento em África.

MIKE HUTCHINGS / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Reino Unido pretende ser o maior investidor do G7 em África em 2022, depois de sair da União Europeia, disse esta terça-feira a primeira-ministra britânica, que falava na Cidade do Cabo, África do Sul.

Theresa May, que iniciou uma visita oficial de três dias ao continente africano, disse aos jornalistas que o Governo britânico utilizará o orçamento de ajuda internacional para apoiar o empresariado britânico a aprofundar trocas comerciais e investimento em África, após a saída da União Europeia. Neste sentido, a governante disse que o Reino Unido espera superar o investimento dos Estados Unidos no continente africano.

“Posso anunciar hoje uma nova ambição. Em 2022, quero que o Reino Unido seja o principal investidor do G7 em África”, anunciou Theresa May. “Com as empresas do setor privado da Grã-Bretanha a assumir a liderança no investimento de biliões, iremos ver as economias africanas crescer em triliões”, afirmou a primeira-ministra britânica.

Theresa May disse que a Grã-Bretanha pós-Brexit “dispõe dos mecanismos” necessários para concretizar esta aposta, sublinhando a importância da localização da capital londrina na atração de investimento estrangeiro. “A cidade de Londres faz com que o Reino Unido seja o destino global sem paralelo para o investimento internacional, com mais de oito triliões de libras (8,7 biliões de euros) em fundos financeiros sob gestão”, declarou.

O G7 é um grupo informal de grandes potências (França, Reino Unido, Alemanha, Itália, Japão, Canadá e Estados Unidos e o presidente da Comissão Europeia), criado em 1975 para debater temas económicos, aos quais se juntaram mais tarde outros assuntos como a paz, o ambiente e o terrorismo.

A Rússia, que se juntou ao grupo após o colapso da União Soviética, foi afastada depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014 e o G8 tornou-se novamente o G7. “Somos um centro de inovação tecnológica e científica, e de excelência mundial nos setores da diplomacia, defesa e desenvolvimento”, adiantou Theresa May.

“Somos um parceiro de confiança e confiável. O nosso sistema judicial é inigualável, que dispõe das leis anticorrupção mais cerradas no mundo e o nosso empenho no comércio justo com base em regras internacionais é garante de que os nossos parceiros internacionais receberão tratamento justo”, sublinhou.

A Governante britânica, na primeira visita oficial à África do Sul, Nigéria e Quénia como parte da sua estratégia pós-Brexit, é acompanhada por uma delegação de homens de negócio britânicos. A primeira-ministro disse que a perspetiva do Governo britânico em reforçar relações comerciais com países fora da União Europeia representa um dos pontos fortes do Brexit na altura e que o país se prepara para abandonar o bloco regional europeu em Março de 2019.

De acordo com a presidência sul-africana, o Reino Unido foi o sexto maior parceiro comercial da África do Sul em 2017, com um total de 79,5 biliões de rands (4.700 milhões de euros) sendo igualmente a principal fonte de turismo de longo curso para a África do Sul, com cerca de 448 mil visitantes no mesmo ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)