O adido de defesa iraniano em Damasco indicou esta terça-feira que vários conselheiros militares iranianos vão permanecer na Síria no final da guerra, no quadro de um acordo de cooperação bilateral concluído no domingo.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/mortes-na-siria-1/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”647″ slug=”mortes-na-siria-1″ thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/mortes-na-siria-1/thumbnail?version=1533738728482&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

O Irão dá apoio político, financeiro e militar ao regime de Bashar al-Assad no conflito que devasta a Síria desde 2011. “A presença contínua de conselheiros iranianos na Síria é um dos aspetos cobertos pelo acordo técnico de defesa”, disse o general de brigada Abolghasem Alinejad, citado pelas agências noticiosas iranianas Fars e Tabnak.

O apoio (iraniano) à integridade territorial e à independência da Síria também é destacado”, adiantou. O documento foi assinado no domingo, durante uma visita de dois dias à Síria do ministro da Defesa iraniano, Amir Hatami.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Poucas informações foram divulgadas sobre o conteúdo preciso do documento, afirmando a agência iraniana Tasnim que abordava o papel da República Islâmica no pós-guerra na Síria. Numa entrevista ao canal al-Mayadeen, próximo do movimento xiita libanês Hezbollah (apoiado pelo Irão), Hatami explicou que o acordo é relativo, entre outras questões, à recuperação da indústria de defesa.

Durante a sua visita a Damasco, Hatami reuniu-se com o seu homólogo, Abdallah Ayub, e com o Presidente Bashar al-Assad. A guerra na Síria, que começou em 2011 com a repressão de manifestações pacíficas contra o regime, já causou mais de 350.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.