Nostalgia

Lembra-se dos Power Rangers? Eles fazem 25 anos

397

Chegaram a 28 de agosto de 1993 e nunca mais saíram do imaginário de quem cresceu naquela década. Vários elencos e milhões de dólares depois, os Power Rangers fazem 25 anos.

Não eram desenhos animados nem um filme de ação para pais, mas fizeram muitos miúdos acordarem mais cedo ao sábado e ao domingo de manhã. Os Power Rangers estrearam-se nos Estados Unidos há precisamente 25 anos, no dia 28 de agosto de 1993.

“Mighty Morphin Power Rangers” era o nome oficial quando a primeira série começou a ser exibida na Fox Kids. Com três anos de vida, o canal conheceu o seu primeiro grande sucesso. A série original tinha surgido em 1992, no Japão, pela mão da Super Sentai Series e da produtora Toei Company. Um ano depois, a norte-americana Saban Entertainment adaptou o formato e fez dele um sucesso, na América e em dezenas de outros países. Não obstante o fenómeno quase imediato, a série foi alvo de várias críticas, sobretudo no que toca ao conteúdo excessivamente violento, tendo em conta que se destinava ao público infantil.

Lembra-se da história? Vale sempre a pena recordar. Zordon, uma espécie de feiticeiro do bem (que na série era sempre representado por uma cara num ecrã cilíndrico), recrutava adolescentes cheios de energia para combater o mal, na primeira série, representado pela vilã Rita Repulsa. Para isso, eram treinados até se tornarem Power Rangers, guerreiros capazes de usar poderes, armas futuristas, maquinaria diversa e, claro, cores. O esquadrão inicial era composto por cinco rangers: o azul, o vermelho, o preto, o amarelo e o cor-de-rosa, os dois últimos figuras femininas. O verde foi a primeiro a fazer aparições pontuais na série. Depois dele vieram o branco, duas variações do ranger vermelho e uma variação especial do ranger preto, o Black Dino Ranger.

Jason Frank, Johnny Yong Bosch, David Yost, Karan Ashley, Steve Cardenas e Amy Jo Johnson, os protagonistas da série Mighty Morphin Power Rangers, nos anos 90 © MIKE NELSON/AFP/Getty Images

Até 1996, a série desdobrou-se em temporadas, mantendo o título “Mighty Morphin Power Rangers”. Foram três, no total, sucedidas de mais 22 capítulos que mantêm os Power Rangers vivos até hoje, embora sem o furor de outros tempos. Enquanto a narrativa evoluía e os protagonistas iam sendo substituídos, também no plano empresarial a série passava por mudanças.

Em 2001, a The Walt Disney Company comprou o franchise. Durante anos, transmitiu a série em vários canais do grupo, tendo também, logo em 2002, mudado as rodagens da série de Los Angeles para a Nova Zelândia. Em 2010, depois de sete anos sob o controlo da Disney, Haim Saban, produtor das primeiras temporadas, comprou de volta os Power Rangers por 43 milhões de dólares. Desde 2011 que as novas temporadas são transmitidas pelo Nickelodeon. O canal e o produtor já garantiram a parceria até 2021.

Entretanto, os Power Rangers também têm passado pelo cinema. O primeiro filme saiu em 1995, o segundo chegou às salas dois anos depois. O último é de 2017, dá tudo nos efeitos especiais e arrecadou quase 135 milhões de dólares. No que toca a contas, também é preciso juntar os brinquedos. Depois da parceria com a Bandai que, em 2001, já tinha gerado receitas no valor de seis mil milhões de dólares, em 2018, a Saban Brandas anunciou a Hasbro como nova responsável pela produção de merchandising.

Na fotogaleria, juntámos imagens dos protagonistas da série. Veja como eram e como estão agora, 25 anos depois.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)