Nostalgia

Lembra-se dos Power Rangers? Eles fazem 25 anos

397

Chegaram a 28 de agosto de 1993 e nunca mais saíram do imaginário de quem cresceu naquela década. Vários elencos e milhões de dólares depois, os Power Rangers fazem 25 anos.

Não eram desenhos animados nem um filme de ação para pais, mas fizeram muitos miúdos acordarem mais cedo ao sábado e ao domingo de manhã. Os Power Rangers estrearam-se nos Estados Unidos há precisamente 25 anos, no dia 28 de agosto de 1993.

“Mighty Morphin Power Rangers” era o nome oficial quando a primeira série começou a ser exibida na Fox Kids. Com três anos de vida, o canal conheceu o seu primeiro grande sucesso. A série original tinha surgido em 1992, no Japão, pela mão da Super Sentai Series e da produtora Toei Company. Um ano depois, a norte-americana Saban Entertainment adaptou o formato e fez dele um sucesso, na América e em dezenas de outros países. Não obstante o fenómeno quase imediato, a série foi alvo de várias críticas, sobretudo no que toca ao conteúdo excessivamente violento, tendo em conta que se destinava ao público infantil.

Lembra-se da história? Vale sempre a pena recordar. Zordon, uma espécie de feiticeiro do bem (que na série era sempre representado por uma cara num ecrã cilíndrico), recrutava adolescentes cheios de energia para combater o mal, na primeira série, representado pela vilã Rita Repulsa. Para isso, eram treinados até se tornarem Power Rangers, guerreiros capazes de usar poderes, armas futuristas, maquinaria diversa e, claro, cores. O esquadrão inicial era composto por cinco rangers: o azul, o vermelho, o preto, o amarelo e o cor-de-rosa, os dois últimos figuras femininas. O verde foi a primeiro a fazer aparições pontuais na série. Depois dele vieram o branco, duas variações do ranger vermelho e uma variação especial do ranger preto, o Black Dino Ranger.

Jason Frank, Johnny Yong Bosch, David Yost, Karan Ashley, Steve Cardenas e Amy Jo Johnson, os protagonistas da série Mighty Morphin Power Rangers, nos anos 90 © MIKE NELSON/AFP/Getty Images

Até 1996, a série desdobrou-se em temporadas, mantendo o título “Mighty Morphin Power Rangers”. Foram três, no total, sucedidas de mais 22 capítulos que mantêm os Power Rangers vivos até hoje, embora sem o furor de outros tempos. Enquanto a narrativa evoluía e os protagonistas iam sendo substituídos, também no plano empresarial a série passava por mudanças.

Em 2001, a The Walt Disney Company comprou o franchise. Durante anos, transmitiu a série em vários canais do grupo, tendo também, logo em 2002, mudado as rodagens da série de Los Angeles para a Nova Zelândia. Em 2010, depois de sete anos sob o controlo da Disney, Haim Saban, produtor das primeiras temporadas, comprou de volta os Power Rangers por 43 milhões de dólares. Desde 2011 que as novas temporadas são transmitidas pelo Nickelodeon. O canal e o produtor já garantiram a parceria até 2021.

Entretanto, os Power Rangers também têm passado pelo cinema. O primeiro filme saiu em 1995, o segundo chegou às salas dois anos depois. O último é de 2017, dá tudo nos efeitos especiais e arrecadou quase 135 milhões de dólares. No que toca a contas, também é preciso juntar os brinquedos. Depois da parceria com a Bandai que, em 2001, já tinha gerado receitas no valor de seis mil milhões de dólares, em 2018, a Saban Brandas anunciou a Hasbro como nova responsável pela produção de merchandising.

Na fotogaleria, juntámos imagens dos protagonistas da série. Veja como eram e como estão agora, 25 anos depois.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)