Rádio Observador

US Open

US Open. Nadal e Stephens iniciam defesa dos títulos sem surpresas

Rafael Nadal e Sloane Stephens iniciaram na segunda-feira as defesas dos títulos dos US Open, último torneio do Grand Slam de ténis da temporada, com vitórias na primeira ronda.

JASON SZENES/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Rafael Nadal e Sloane Stephens iniciaram na segunda-feira as defesas dos títulos dos US Open, último torneio do Grand Slam de ténis da temporada, com vitórias na primeira ronda. Num duelo entre dois espanhóis e amigos de longa data, no encontro que encerrou a sessão noturna no Arthur Ashe Stadium, Nadal, de 32 anos, levou a melhor diante David Ferrer, que aos 36 anos e a jogar o último ‘major’ da carreira, viu-se obrigado a desistir com uma lesão nos gémeos.

Depois de ter vencido o primeiro ‘set’ por 6-3, o maiorquino e número um mundial estava em desvantagem na segunda partida, por 4-3, quando Ferrer, 148.º do ‘ranking’ e semifinalista do US Open em duas ocasiões (2004 e 2006), se viu obrigado a entregar a qualificação para a segunda ronda. “Este é o meu último Grand Slam da carreira. Lamento não ter conseguido acabar o encontro”, afirmou o tenista de Valência e antigo número três do mundo (2003).

Assegurada a vitória na estreia, o tenista balear, que já venceu cinco títulos esta temporada – em Monte Carlo, Barcelona, Roma, Roland Garros e Toronto – e procura o 18.º ‘major’ da carreira e o quarto em Flushing Meadows, depois das vitórias em 2010, 2013 e 2017, vai defrontar o canadiano Vasek Pospisil que eliminou o polaco Lukas Lacko, por 7-5, 6-3 e 6-2.

Numa jornada sem surpresas de maior, o argentino Juan Martin Del Potro, campeão em Nova Iorque em 2009, também não sentiu dificuldades para afastar o jogador da casa Donald Young, pelos parciais de 6-0, 6-3 e 6-4. O próximo desafio do terceiro cabeça de série será frente ao também norte-americano Denis Kudla, vencedor do confronto com Matteo Berrettini, por 6-4, 7-5 e 6-3.

Já o sul-africano Kevin Anderson, vice-campeão do US Open e quinto cabeça de série, viu-se obrigado a esforços redobrados para eliminar o tenista natural de Los Angeles, Ryan Harrison, 53.º da hierarquia, pelos parciais de 7-6 (7-4), 5-7, 4-6, 6-3 e 6-4, em quatro horas e 14 minutos. Na segunda ronda, o finalista derrotado este ano em Wimbledon vai medir forças com o francês Jeremy Chardy, responsável pela eliminação do russo Andrey Rublev (6-2, 4-6, 6-4 e 6-1).

Na competição feminina, após a surpreendente queda da número um mundial Simona Halep ante Kaia Kenepi, a campeã em título Sloane Stephens precisou apenas de uma hora e 16 minutos para bater a russa Evgenyia Rodina, pelos parciais de 6-1 e 7-5, e marcar encontro com Anhelina Kalinina que viu a adversária Kathinka Von Deichmann desistir, por lesão, quando o encontro estava 1-6, 7-6 (7-0) e 5-2.

Igualmente na metade superior do quadro, a hexacampeã do US Open Serena Williams estreou-se também a vencer. Frente à polaca Magda Linette, a norte-americana, de 36 anos, precisou de apenas uma hora e 10 minutos para triunfar pelos parciais de 6-4 e 6-0, ficando assim a uma vitória de poder defrontar a sua irmã mais velha, Venus Williams (que bateu Svetlana Kuznetsova em três ‘sets’) na terceira ronda do US Open.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)