Rádio Observador

Livros

Autobiografia do realizador David Lynch entre as novidades literárias da Elsinore

A autobiografia de David Lynch, o livro do escritor britânico Jon McGregor vencedor do Prémio Costa 2017, e novos romances de Ali Smith e Margaret Atwood marcam a 'rentrée' editorial da Elsinore.

TYTUS ZMIEJEWSKI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A autobiografia do realizador norte-americano David Lynch, o livro do escritor britânico Jon McGregor vencedor do Prémio Costa 2017, e novos romances de Ali Smith e Margaret Atwood marcam a ‘rentrée’ editorial da Elsinore. O livro “Espaço para sonhar” (“Room to dream”), autobiografia do realizador e artista visual norte-americano David Lynch, chega às livrarias portuguesas em outubro, coassinado pela jornalista Kristine McKenna, com cerca de 500 páginas e 30 fotografias, muitas delas inéditas, revelou a editora 2020, responsável pela chancela Elsinore.

Segundo a editora, este “é um livro fundamental que possibilita a oportunidade única de se ter acesso total à vida e mente de um dos artistas mais enigmáticos e profundamente originais do nosso tempo”. As reflexões de Lynch, “poéticas, íntimas e francas, ecoam nas secções biográficas escritas por Kristine McKenna, sua colaboradora próxima, baseadas em mais de uma centena de entrevistas inéditas com familiares e pessoas mais próximas do autor, incluindo ex-mulheres surpreendentemente diretas, atores, agentes, músicos e colegas em áreas variadas, cada um revelando a sua própria versão dos acontecimentos”, adianta a editora.

Entre as novidades da Elsinore para o mês de outubro, conta-se também “Reservatório 13”, de Jon McGregor, que venceu o prémio literário Costa 2017, depois de ter sido finalista do prémio Man Booker, e que vai ser publicado pela primeira vez em Portugal. Ainda no mesmo mês, chega às livrarias “A Odisseia de Penélope”, de Margaret Atwood, a autora de “A história de uma serva” (“The handmaid’s tale”) e vencedora do Man Booker com “O assassino cego”.

Nesta obra, a autora reconta a “Odisseia”, centrando-se na personagem Penélope, que agora, há muito morta e esquecida pelo mundo, vagueia pelos infernos e pode finalmente contar a sua própria versão: “um relato subversivo e divertido sobre luxúria, ganância e violência, onde ninguém é poupado”. O segundo volume da tetralogia de Ali Smith iniciada com “Outono” (finalista do Prémio Man Booker 2017) chega também pela mesma altura às livrarias portuguesas.

“Inverno”, descrito pela crítica internacional como sendo uma prova de mestria literária, e já finalista dos British Book Awards, centra-se num jantar de Natal que reúne numa grande casa de campo uma mulher de 70 anos — Sophia – com início de demência, o seu filho, a braços com a rutura de uma relação amorosa, uma emigrante croata que este contratou para a substituir, e a irmã de Sophia, com quem não fala há décadas.

No final de agosto chega às livrarias “21 lições para o século XXI”, um olhar sobre os grandes desafios da atualidade pelo historiador Yuval Noah Harari, depois de “Sapiens”, que se debruçou pelo passado, e “Homo Deus”, virado para o futuro. Em setembro, a Elsinore publica “Dor”, “uma viagem catártica através do sofrimento”, de Zeruya Shalev, escritora israelita que, a par de Amos Oz e David Grossman, é uma das mais lidas no mundo, segundo a editora.

“Tudo aquilo que não lembro”, uma viagem emocional que parte de uma morte resultante de um acidente de viação, da autoria do sueco Jona Hassen Khemir, e “Tudo o que um homem é”, de David Szalay, que segue nove homens em fases diferentes da vida a tentarem compreender o que significa exatamente estar vivo, aqui e agora, são outras novidades da Elsinore.

“Fica comigo”, do nigeriano Ayobami Adebayo, “O elmo do horror”, do escritor russo Victor Pelevin, “Tudo aquilo que encontrei na praia”, de Cynan Jones – de quem a editora já publicou “A cova” e “A baía” -, e o ensaio “Histórias de livros perdidos”, de Giorgio van Straten, fecham a lista de novidades da Elsinore até final do ano.

Na chancela Cavalo de Ferro será publicado, já no próximo mês, “Raposa”, da escritora Dubravka Ugresic, que transporta o leitor numa viagem da Rússia até ao Japão, dos campos de minas dos Balcãs, às ‘road trips’ norte-americanas, e dos anos 1920 até aos dias de hoje.

Em outubro, sai o livro “Rua Katalin”, da escritora húngara Magda Szabó, de quem a Cavalo de Ferro já publicou “A porta”, uma obra com fundo histórico, sobre os acontecimentos traumáticos que marcaram parte da História da Hungria e da Europa no século XX. Para outubro está prevista ainda a publicação do último volume da trilogia autobiográfica do Nobel da Literatura Elias Canetti, “O jogo de olhares: História de vida 1931-1937”.

“Os peixes não têm pés”, uma saga familiar de três gerações, que acompanha a história da Islândia do século XX, livro do multipremiado autor islandês Jón Kalman Stefánsson, finalista do Prémio Man Booker Internacional 2017, e “Memórias de um morto”, escrito por Hjalmar Bergman e traduzido por João Reis, são as outras novidades da Cavalo de Ferro até ao final do ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)