Rádio Observador

Descentralização

Governo considera deliberação das autarquias sobre descentralização “desnecessária e inútil”

A lei 50/2018, de 16 de agosto, estabelece que as autarquias e entidades intermunicipais terão de comunicar, até 15 de setembro de 2018, a recusa das novas competências em 2019.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A deliberação das autarquias a rejeitar a transferência de competências em 2019 “será desnecessária e inútil”, até à aprovação dos diplomas setoriais, como estabelece a lei-quadro da descentralização, disse, esta quinta-feira, à Lusa o gabinete do ministro Eduardo Cabrita.

“O prazo para os municípios se pronunciarem sobre as novas competências decorre da aprovação dos diplomas setoriais”, reiterou o gabinete do ministro da Administração Interna.

A lei 50/2018, de 16 de agosto, estabelece que as autarquias e entidades intermunicipais terão de comunicar, até 15 de setembro de 2018, a recusa das novas competências em 2019, mas também refere que a “lei produz efeitos após a aprovação dos respetivos diplomas legais de âmbito setorial, acordados com a Associação Nacional de Municípios Portugueses”.

A transferência das novas competências, a identificação da respetiva natureza e a forma de afetação dos respetivos recursos são concretizadas através de diplomas legais de âmbito setorial, os quais estabelecerão os prazos para as transferências em causa pelo que até lá, e face à lei, qualquer deliberação de assembleia municipal sobre esta matéria será desnecessária e inútil”, frisou à Lusa.

O gabinete do ministro com a tutela das autarquias sublinhou que “o processo de descentralização é gradual, até 2021, de forma a permitir que cada município avalie as competências que está em condições de exercer”.

Os diplomas serão aprovados pelo Governo, no exercício das competências legislativas constitucionalmente consagradas”, adiantou o gabinete de Eduardo Cabrita, apesar de antes ter admitido disponibilidade para que os decretos setoriais fossem apresentados como propostas de lei no parlamento.

Em relação às negociações com a Associação Nacional de Municípios de Portugueses (ANMP), o ministério salientou que “há vários diplomas já consensualizados” e que “o último lote” está a ser analisado pela associação representativa dos municípios.

Nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto têm-se existido algumas críticas ao processo de descentralização, principalmente relacionadas com o desconhecimento dos envelopes financeiros para cada área a descentralizar e por município.

Na sequência da cimeira de Queluz, em Sintra, “o Governo tem vindo a trabalhar em conjunto com as áreas metropolitanas para alargar a descentralização de competências no domínio dos transportes e mobilidade, ordenamento do território e programação do próximo quadro de fundos comunitários”, assegurou.

Já quanto ao processo de reorganização territorial das freguesias, para o ministro “não se trata de um processo de reversão do atual modelo”.

O Governo vai apresentar na Assembleia da República uma proposta de Lei-quadro para a Criação de Freguesias, no início da próxima sessão legislativa”, revelou o gabinete de Eduardo Cabrita, acrescentando que a medida consta do Programa do Governo, que prevê a avaliação das alterações “a régua e esquadro” do executivo anterior.

A proposta, que o ministro já tinha anunciado para a sessão legislativa anterior, pretende “criar um novo quadro legal, com novos critérios, que sendo cumpridos ou verificados, possibilitam aos territórios e às suas populações, através dos seus eleitos locais, promover alterações de organização territorial autárquica ao nível de freguesia”.

“As alterações deverão ter impacto nas eleições autárquicas de 2021”, concluiu o gabinete do ministro, afastando que o processo possa contemplar também os municípios, uma vez que “essa matéria não consta do Programa do Governo”.

A lei-quadro da transferência de competências para as autarquias locais e entidades intermunicipais foi aprovada no parlamento, em 18 de julho, apenas com votos a favor de PS e PSD, abstenção do CDS-PP e contra de BE, PCP, PEV e PAN.

A diretora-geral das Autarquias Locais, Sónia Ramalhinho, comunicou às autarquias que, “de acordo com orientações da tutela”, devido à necessidade de “consensualização” com a ANMP dos diplomas setoriais, “consideram-se as autarquias locais e as entidades intermunicipais dispensadas da comunicação”, até 15 de setembro, prevista na lei.

A transferência de competências abrange, entre outras, as áreas da educação, ação social, saúde, cultura, património, habitação, áreas portuário-marítimas, gestão florestal e áreas protegidas, transportes e vias de comunicação, policiamento, proteção e saúde animal, segurança dos alimentos, estacionamento e freguesias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Regionalização

Regionalização: um dos mitos do nosso tempo

João José Brandão Ferreira
268

A Regionalização é perigosa: já vimos que é potencialmente fragmentária. Seria um sumidouro de dinheiros públicos e um multiplicador de estruturas burocráticas. Enfim, a Regionalização é escusada. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)