Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Marisa Matias ao ataque: “Não foi Centeno que entrou no Eurogrupo, foi o Eurogrupo que entrou em Centeno”

172

Na rentrée do BE, a eurodeputada criticou as palavras de Mário Centeno sobre a Grécia. “São uma triste imagem” do Governo. No seu discurso, também visou a direita e… António Costa.

TIAGO PETINGA/LUSA

“Não foi Centeno que entrou no Eurogrupo, foi o Eurogrupo que entrou em Centeno — ou melhor: nunca saiu de Centeno”. Foi desta forma que Marisa Matias criticou as palavras do presidente do Eurogrupo sobre fim do terceiro programa de resgate à Grécia. A eurodeputada bloquista falava na sessão inaugural do Fórum Socialismo, o evento que marca a rentrée política do Bloco de Esquerda, em Leiria.

Num painel com o tema “A Europa da xenofobia e da austeridade tem futuro?”, e perante uma sala bem composta, Marisa Matias, que foi apresentada como “a melhor candidata à Presidência da República em 2016” pelo moderador, mostrou-se muito crítica das palavras do Ministro das Finanças. “As recentes declarações de Mário Centeno são uma triste imagem”, disse. “O seu programa nunca foi outro a não ser o da austeridade”.

No entanto, confessou não estar surpreendida com as declarações do governante. E aproveitou para puxar dos galões. “Se limites houve à austeridade, eles foram impostos pela esquerda, em particular pelas medidas do Bloco de Esquerda”, regozijou-se. Segundo a eurodeputada, sem os travões da esquerda, Portugal estaria “hoje em ajustamento permanente”, insinuando que essa é a verdadeira natureza de Mário Centeno. Uma crítica que está em linha com as que surgiram nas horas seguintes à divulgação do vídeo entre as figuras de esquerda, um pouco por toda a Europa.

Mas o ministro das Finanças não foi o único que ficou com as orelhas a arder. “A Europa sem austeridade, de que falou António Costa na quinta-feira em Itália, é uma ficção, mas pelo menos Centeno não tenta fugir”. Um ataque encapotado ao primeiro-ministro, que indiretamente acusa de promover uma imagem para o exterior diferente daquela que impera dentro do seu próprio elenco governativo.

A direita que legitimou o crescimento da extrema-direita

Acompanhada por Luís Fazenda e por Marina Anderson, eurodeputada eleita pelo Sinn Féin — o antigo braço político do IRA, da Irlanda do Norte –, Marisa Matias aproveitou a sua intervenção para deixar alertas sobre os perigos inerentes ao crescimento da extrema-direita.

“A extrema-direita foi sendo alimentada pelo medo e pelas desigualdades”, entende a bloquista. E aponta culpados. “A social-democracia e a democracia-cristã”, que, defende, “ajudaram a normalizar as políticas da extrema-direita”. Tudo porque “a direita preferiu perder a ideologia” do que “perder eleitores”.

“Quando a extrema-direita começou a chegar ao poder na Europa”, resume, ”as suas políticas já lá estavam”. Mas não iliba a esquerda de responsabilidades. E pede mais. “Nós temos de voltar ao essencial”, apela. Para isso, parece ter uma espécie de receita cuja base não pode ser a ladainha económica. “É preciso muito mais do que falar de economia”. É necessário falar para os que “têm medos” mas que, por exemplo, “não são racistas”.

O Fórum Socialismo vai decorrer entre esta sexta-feira e domingo na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, do Instituo Politécnico de Leiria. No sábado o grande destaque será o jornalista angolano Rafael Marques. No domingo, Catarina Martins vai ser a cabeça de cartaz, encerrando a rentrée do Bloco de Esquerda com uma intervenção ao final da tarde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)