Rádio Observador

República Centro Africana

Militar ferido com G3 na República Centro Africana tem “prognóstico reservado”

Ferimento aconteceu "durante uma operação de manutenção da arma" e obriga a "cuidados médicos diferenciados". Falcon da Força Aérea está a caminho de Bangui e chega a Lisboa esta sexta-feira à noite.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O militar português do corpo de paraquedistas que ficou ferido durante uma “operação de manutenção” da sua G3, na República Centro Africana, esta quinta-feira, tem um “prognóstico reservado” e precisa de “cuidados médicos diferenciados”, refere ao Observador fonte oficial do Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA). O soldado, que estava a uma semana de terminar a missão, chega esta sexta-feira à noite a Portugal, a bordo de um Falcon da Força Aérea.

A troca do contingente já tinha data marcada: 6 de setembro. Nesse dia, chegam a Bangui os mais de 100 militares que partem de Lisboa na noite anterior e regressam a casa os homens que estão há seis meses na República Centro Africana (RCA). O militar português ferido esta quinta-feira devia integrar este grupo mas acabará por regressar mais cedo, a bordo do Falcon da Força Aérea, por “decisão clínica”, tomada em articulação com Portugal.

O militar “sofreu um trauma ocular no seguimento da libertação acidental de uma peça durante uma operação de manutenção de armamento, que atingiu o militar no globo ocular esquerdo”, referia o comunicado divulgado pelo EMGFA.

O soldado ainda foi assistido em Bangui e passou pelo hospital sérvio que dá apoio à Missão das Nações Unidas na RCA (a MINUSCA). Mas, por “falta de capacidade” para realizar cirurgias oculares naquele equipamento, foi tomada a “decisão clínica” de fazer regressar antecipdamente a Lisboa o militar.

As missões na RCA, nomeadamente quando os militares saem em patrulha nas ruas da capital, obrigam a largos períodos de exposição ao pó. Nos momentos em que estão aquartelados, os homens aproveitam para fazer a manutenção das suas armas. Era isso que o soldado ferido fazia, numa “ação rotineira” que acabou por resultar em ferimentos com alguma gravidade. “Sempre que há uma dessas operações, os militares fazem limpeza da arma, é banal para eles“, diz o porta-voz do EMGFA, Coelho Dias.

Depois de regressar a Lisboa, o militar vai ser alvo de novos exames médicos e, muito possivelmente, uma intervenção cirúrgica. O comunicado divulgado esta quinta-feira à noite pelo EMGFA referia que “foi superiormente decidido evacuar de imediato o militar para território nacional para que possa recuperar todas a suas capacidades visuais“. Mas essa possibilidade de recuperação total, sem mazelas, não está ainda garantida.

É o segundo caso de um militar português ferido na missão das Nações Unidas, naquela que é uma das missões com maiores riscos para as forças portuguesas destacadas em missões no estrangeiro. Em abril, os estilhaços de uma granada, durante um cerco a radicais islâmicos, em Bangui, deixou um paraquedista com lesões — nesse caso, sem gravidade. Nessa missão, os militares ensaiaram um cerco a um dos grupos que ameaçam a estabilidade no país mas, durante a fase da consolidação, algumas dezenas de elementos radicais conseguiram fugir ao controlo das forças locais e espalharam-se pela cidade.

Ambos os militares integraram a Força de Reação Rápida das Nações Unidas, o braço-direito do comandante da missão. Eram elementos da 3ª Força Nacional Destacada naquele cenário, a primeira composta por militares paraquedistas. Antes, estiveram no país duas forças de outra força especia do Exército, os Comandos. Recentemente, e devido à tensão que continua a registar-se no terreno, Portugal decidiu reforçar o efetivo que tem na missão, com o envio de seis viaturas Pandur e um grupo de 20 militares que vão operar esses meios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)