Bloco de Esquerda

Xenofobia e austeridade na Europa em debate esta sexta-feira na abertura da rentrée do BE

Um painel sobre os riscos da xenofobia e da austeridade na Europa, com a participação da eurodeputada Marisa Matias, abre, em Leiria, o Fórum Socialismo 2018, a rentrée política do BE.

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Um painel sobre os riscos da xenofobia e da austeridade na Europa, com a participação da eurodeputada Marisa Matias, abre esta sexta-feira, em Leiria, o Fórum Socialismo 2018, a rentrée política do BE, que promove até domingo 50 debates. Durante três dias, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, em Leiria, o BE regressa à atividade depois das férias, com o discurso de encerramento da coordenadora bloquista, Catarina Martins, a ser o principal momento político da iniciativa, marcado para domingo às 17:30.

“A Europa da xenofobia e da austeridade tem futuro?” é o nome do debate que esta sexta-feira, a partir das 21h30, marca o arranque do Fórum Socialismo 2018. A eurodeputada do BE, Marisa Matias, o fundador do partido Luís Fazenda e a eurodeputada irlandesa do Sinn Féin Martina Anderson são oradores convidados para a abertura da rentrée política bloquista.

A nova lei de bases da saúde, a exploração de petróleo em Portugal, as rendas de energia ou o estado da justiça no país são alguns dos temas em discussão ao longo desta edição do Fórum Socialismo. De Angola, no sábado, chega o jornalista e ativista de direitos humanos Rafael Marques para discutir a situação política naquele país.

Outro das novidades é o painel do músico e compositor José Mário Branco, intitulado “No canto não há neutralidade”, agendado para domingo, às 16:00, antes do encerramento. Uma das ‘bandeiras’ do partido na última sessão legislativa, a despenalização da eutanásia, também terá o seu espaço de discussão. Para falar sobre o tema foram convidados o deputado do PAN André Silva e o deputado do PS Pedro Delgado Alves que, juntamente com o médico Bruno Maia, participam como oradores, no sábado, num painel intitulado “Pelo direito à morte assistida”.

O antigo coordenador do BE, Francisco Louçã, também volta a marcar presença nesta iniciativa, promovendo um debate intitulado “A democracia líquida e a estratégia matrioska: será que os russos determinam as eleições por todo o lado?”. A meio de agosto, na antecipação do Fórum Socialismo à agência Lusa, o deputado e dirigente do BE Jorge Costa deixou um aviso: “Quem procurar no programa deste fórum pistas para as negociações orçamentais vai sair com conclusões muito distorcidas porque não é esse o objetivo”.

Questionado sobre se temia que o caso do ex-vereador bloquista na Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, fosse ensombrar a rentrée do BE, Jorge Costa garantiu que “não houve um único dia em que o BE tivesse interrompido ou tivesse posto entre parêntesis a sua luta pelo direito à habitação”.

Exemplo disso, na opinião do dirigente bloquista, é o debate no Fórum Socialismo sobre “Gentrificação, resistir aos despejos – as lutas pela habitação”, marcado para domingo à tarde. Na rentrée do ano passado, Ricardo Robles, para além de ter discursado no encerramento, juntamente com a coordenadora do BE, Catarina Martins, participou num painel intitulado “Cidades partilhadas, gentrificação, turistificação”, não sendo este ano orador em nenhum dos debates.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)