Rádio Observador

Barack Obama

Adeus a McCain (sem Trump). Bush e Obama dizem que senador fez deles “melhores Presidentes”

109

Os elogios fúnebres ao senador foram da responsabilidade de Barack Obama e George W. Bush. Trump, com quem McCain tinha fortes divergências, está a ser o grande ausente nas cerimónias.

Getty Images

Os antigos chefes de Estado Barack Obama e George W. Bush enalteceram este sábado a figura e a influência política de John McCain, que morreu no sábado passado, afirmando que o senador republicano fez deles “melhores Presidentes” dos Estados Unidos.

Nas cerimónias fúnebres realizadas este sábado na Catedral Nacional de Washington, os elogios fúnebres ao senador foram da responsabilidade de Barack Obama, que derrotou McCain nas eleições presidenciais de 2008, e de George W. Bush, que ganhou a corrida à nomeação presidencial republicana em 2000 contra McCain.

Viemos para celebrar um homem extraordinário, um guerreiro, um estadista, um patriota que personificou o que há de melhor na América”, declarou Obama, que falou depois de Bush nesta última homenagem a McCain.

“Ele tornou-nos melhores Presidentes, como tornou melhor o Senado [câmara alta do Congresso norte-americano], como tornou o país melhor”, salientou Barack Obama, observando que, apesar de ter sido um legislador conservador, McCain “entendeu que alguns princípios transcendem a política, que alguns valores transcendem o partido”.

Barack Obama derrotou McCain nas eleições presidenciais de 2008 (Foto: SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

O ex-Presidente democrata Obama (2009-2017) destacou ainda que McCain sempre se opôs a vergar a verdade perante conveniências políticas ou ortodoxias partidárias e que foi um defensor de uma “imprensa livre e independente”.

Bush. McCain era uma “combinação de coragem e decência”

Antes de Obama, o ex-Presidente republicano George W. Bush (2001-2009) considerou que John McCain, um antigo piloto da Força Aérea da Marinha que foi prisioneiro de guerra no Vietname durante mais de cinco anos, era uma “combinação de coragem e decência”. Segundo Bush, McCain foi um político que “detestava o abuso de poder”.

Diante de tal autoridade, John McCain insistiria que somos melhores que isso, que a América é melhor que isso”, acrescentou.

George W. Bush disse ainda que a ausência do senador do Estado do Arizona, que serviu durante 35 anos no Congresso, será sentida “como o silêncio depois de um poderoso rugido”. Lembrando igualmente o período em que McCain foi prisioneiro de guerra, Bush destacou que o senador e ex-candidato presidencial “amava a liberdade com a paixão de um homem que conhecia a ausência dessa mesma liberdade”.

George W. Bush ganhou a corrida à nomeação presidencial republicana em 2000 contra McCain (Foto: SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

O antigo secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger, de 95 anos, e uma das filhas do senador, Meghan McCain, foram outros dos intervenientes nesta cerimónia na Catedral Nacional de Washington. Na sua intervenção, Meghan McCain reivindicou “a grandeza” dos Estados Unidos e assegurou que o país que o seu pai representou e defendeu “não precisa de ser grande de novo, porque sempre foi”.

Foi um grande homem. Estamos aqui reunidos para lamentar a morte da grandeza norte-americana. A verdadeira, não a retórica barata de homens que nunca chegaram perto do sacrifício que ele ofereceu voluntariamente, nem da retórica oportunista daqueles que viveram vidas de conforto e privilégio”, afirmou a filha de McCain.

As intervenções durante a cerimónia não mencionaram diretamente o nome do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas estão a ser interpretadas como críticas diretas à atual administração e às suas políticas. Trump, com quem McCain tinha fortes divergências, está a ser o grande ausente nas cerimónias em honra ao senador, nomeadamente na cerimónia solene que decorreu na sexta-feira no Capitólio, sede do Congresso.

Quando já decorriam as cerimónias fúnebres do senador republicano na capital federal norte-americana, Trump deslocou-se para um dos seus campos de golfe localizado perto de Washington. Na cerimónia estiveram a filha de Trump, Ivanka Trump, e o seu marido, Jared Kushner, bem como membros da equipa da Casa Branca, como o chefe de gabinete do Presidente, o general John Kelly, e o secretário de Defesa, James Mattis.

No domingo, será realizado um funeral privado no cemitério da Academia Naval em Annapolis. John McCain, senador que representou o Estado do Arizona no Congresso desde 1987, morreu em 25 de agosto, aos 81 anos, na sequência de um tumor no cérebro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)