Rádio Observador

Assédio Sexual

Bispo que apalpou peito de Ariana Grande no funeral de Aretha Franklin pede desculpa: “Nunca foi minha intenção”

327

No final da atuação de Ariana Grande, o bispo abraçou a cantora, colocou a mão por baixo do seu peito, apertando-o com os dedos. Depois, fez um comentário considerado racista pelos fãs.

As imagens e vídeos do momento rapidamente começaram a circular nas redes sociais

ANGELA WEISS/AFP/Getty Images

O bispo Charles H Ellis que conduziu as cerimónias fúnebres que precederam o funeral de Aretha Franklin, esta sexta-feira, pediu desculpas a Ariana Grande depois de ter sido acusado de assediar a cantora pelos próprios fãs. “Talvez tenha sido amigável ou íntimo demais. Mas, novamente, peço desculpa”, admitiu.

Depois da atuação de Ariana Grande, de 25 anos, o bispo abraça a cantora, coloca a mão por baixo do seu peito direito, apertando-o com os dedos. O momento causou alguma polémica nas redes sociais. Com a hashtag #RespectAriana —  uma alusão à canção “Respect”, de Ottis Redding, um dos grandes sucessos de Aretha Franklin — o assunto tornou-se um dos mais falados mundialmente no Twitter. “Este homem é muito nojento. Vejam a cara de Ariana de total desconforto”, escreveu uma das fãs.

Face à polémica, Charles H. Ellis pediu desculpa à cantora reconhecendo que “talvez tenha passado do limite” mas garantindo que “nunca” seria sua “intenção tocar no peito de nenhuma mulher”. O bispo pediu desculpa no próprio dia, numa entrevista à Associated Press, no cemitério onde Aretha Franklin foi enterrada.

Nunca seria a minha intenção tocar no peito de nenhuma mulher. Eu não sei… acho que coloquei o meu braço em volta dela [de Ariana]. Talvez tenha ultrapassado os limites, talvez tenha sido amigável ou íntimo demais. Mas, novamente, peço desculpa”, disse o bispo.

Charles H. Ellis não deixou de alertar que, ao longo da cerimónia de oito horas, abraçou todos os artistas: “Abracei todas as artistas e todos os artistas. A todos aqueles que subiam [ao palco] dei um aperto de mão e um abraço. É isto que nós fazemos na igreja, é tudo sobre amor. A última coisa que quero fazer é ser uma distração para este dia. Este dia é apenas sobre Aretha Franklin.”

“Quando vi Ariana Grande no programa, achei que era algo novo no Taco Bell”

Charles H. Ellis pediu ainda desculpa a Ariana Grande por ter feito uma piada considerada racista pelos fãs. No palco, o bispo confessou que quando viu o nome da cantora no programa achou que fosse um produto novo no menu do Taco Bell — uma rede de comida mexicana popular nos Estados Unidos. “Quando vi Ariana Grande no programa, achei que era algo novo no Taco Bell”, disse.

Peço desculpas a Ariana, aos seus fãs e a toda a comunidade hispânica. Quando se faz um programa de nove horas de duração, tenta-se fazer piadas aqui e ali”, justificou ele.

Ainda no palco, Ariana Grande clarificou que não tinha origem hispânica mas, sim, italiana. A cantora, ao contrário dos fãs, não fez qualquer comentário sobre o assunto, até ao momentos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
628

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
305

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)