O cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, pediu este sábado “comunhão profunda e orante com o Santo Padre, que, com tanta coragem e lucidez, guia a Igreja neste momento de purificação espiritual e prática”.

“Estamos com o papa Francisco, como ele está com Cristo e o Evangelho”, escreveu Manuel Clemente, na habitual carta aos diocesanos de Lisboa, por ocasião do ano pastoral de 2018-2019.

O pedido do cardeal patriarca de Lisboa aos diocesanos é feito numa altura em que conservadores defendem a saída de Bergoglio da liderança da Igreja, por causa do escândalo dos abusos sexuais de menores perpetrados por prelados.

“Há uma campanha organizada pelos ultraconservadores para ferirem de morte o Papa Francisco”

O papa criou a Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores e tentou instituir um tribunal eclesiástico, para julgar os suspeitos de encobrimento das práticas sexuais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Manuel Clemente frisou que se mantém “o objetivo transversal de fazer da Igreja uma rede de relações fraternas”, para que se possa “reforçar a participação e a corresponsabilidade comunitárias a todos os níveis da vida paroquial e diocesana”.

“Viver a liturgia como lugar de encontro com Deus e também da comunidade cristã enquanto povo de Deus que celebra” é o propósito vincado por Manuel Clemente.

O cardeal patriarca assinalou que, ao longo do ano pastoral, “muito se fará decerto em termos de formação orante e litúrgica”.

Por isso, Manuel Clemente pediu “às comunidades que aproveitem para tal as ocasiões pastorais: iniciação cristã, catequese, celebrações — tudo é espaço e tempo para formação sobre o modo cristão e eclesial de rezar e celebrar”.

Escândalos sexuais e uma guerra de poder dentro do Vaticano. O Papa Francisco enfrenta o seu “momento extraordinário”