Guatemala

Presidente da Guatemala acaba com missão da ONU contra a impunidade no país

O Presidente da Guatemala, suspeito de financiamento eleitoral ilícito, anunciou na sexta-feira que não vai renovar o mandato da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala.

Edwin Bercian/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Guatemala, suspeito da prática do crime de financiamento eleitoral ilícito, anunciou na sexta-feira que não vai renovar o mandato da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (CICIG), que termina em setembro de 2019.

“Já notificamos oficialmente o secretário-geral das Nações Unidas que não vamos renovar o mandato da CIGIC” afirmou Morales, durante uma cerimónia.

A decisão de Morales surge depois do organismo especial da ONU exigir o levantamento da imunidade do chefe de Estado, suspeito da prática do crime de financiamento eleitoral ilícito.

Sem se referir diretamente às palavras de Morales, o porta-voz do CIGIC, Matias Ponce, disse aos jornalistas que este órgão da ONU recebeu o apoio da comunidade internacional e de representantes da sociedade civil guatemalteca.

O Parlamento guatemalteco estabeleceu esta semana uma comissão de cinco deputados para estudar o pedido de levantamento de imunidade.

Há vários meses que a Guatemala tem sido palco de uma luta entre o Presidente Morales e o CIGIC.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)