Cerca de 400 presos conseguiram fugir, este domingo, de uma prisão no sudeste em Tripoli, a capital da Líbia. De acordo com a polícia local, os homens conseguiram forçar a abertura das portas do estabelecimento prisional de Ain Zara, onde estão presos muitos dos apoiantes do ex-líder Muammar Gaddafi, acusados de várias mortes durante a revolta contra o governo em 2011. Na prisão de Ain Zara os reclusos são todos do sexo maculino.

Ainda de acordo com a polícia, os guardas prisionais, temendo pela sua vida, foram incapazes de controlar os tumultos, que surgiram numa altura o confronto entre grupos rivais na capital obrigou o Governo de Acordo Nacional da Líbia, apoiado pela ONU em Tripoli, a declarar o estado de emergência.

“Exige-se a adoção de todas as medidas militares e civis para garantir a segurança da população e proteger tanto a propriedade privada como as instalações e instituições públicas vitais”, explicou o governo em comunicado. O executivo liderado por Fayez al-Serrakh informou ainda que foi criado um gabinete para gerir o estado de emergência, avisando as partes em conflito de que terão de enfrentar as consequências se tentarem aproveitar a ocasião para avançar nos seus objetivos.