Angola

Presidente angolano grato por ajuda chinesa na reconstrução do país

O Presidente angolano, João Lourenço, agradeceu ao homólogo chinês Xi Jinping a ajuda ao processo de reconstrução nacional em Angola, país que ainda sofre dos efeitos da guerra civil.

FELIPE TRUEBA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente angolano, João Lourenço, agradeceu domingo, em Pequim, ao homólogo chinês, Xi Jinping, a ajuda ao processo de reconstrução nacional em Angola, país que foi devastado por uma guerra civil.

Segundo noticia esta segunda-feira o Jornal de Angola, João Lourenço falava durante a receção oficial que lhe foi oferecida por Xi e afirmou que Angola encontrou na China um parceiro que está a ajudar a construir o país e que foi o país asiático “quem estendeu a mão na fase de reconstrução nacional”. “Estamos a reconstruir o nosso país com o financiamento chinês também”, afirmou, numa intervenção breve na sala de audiências do Grande Palácio do Povo, após ter sido recebido pelo homólogo chinês, em que foi analisada a cooperação bilateral.

Angola viveu a luta pela independência (guerra colonial contra Portugal) entre 1961 e 1974 e, depois, uma guerra civil de 27 anos, entre 1975 e 2002.

Em relação ao continente em geral, João Lourenço reconheceu que a China tem desempenhado um papel importante no processo de desenvolvimento de África, processo que “requer uma certa atenção”. “As nossas parcerias no passado não deram certo e, em poucas décadas, a China estendeu-nos a mão e os resultados são visíveis em praticamente todo o continente”, reconheceu.

João Lourenço é um dos chefes de Estado que participa esta segunda e terça-feira no Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), subordinada ao tema “Construir uma Comunidade de Destino Comum China-África”. Criado em 2006, em Pequim, a Cimeira do FOCAC é a maior atividade diplomática que junta dezenas de chefes de Estado do continente africano.

A Cimeira de Pequim é a maior actividade diplomática que a capital chinesa acolhe este ano. Delegações de líderes africanos e de organizações regionais do continente continuam a chegar a Pequim para o encontro que começa às 16 horas (hora local).

Esta segunda-feira, acontece o “Diálogo entre Líderes e Representantes de Industriais e Comerciais Chineses e Africanos” e a abertura da VI Conferência de Empresários Chineses e Africanos. Na cerimónia de abertura da Cimeira do FOCAC, no Grande Palácio do Povo, o Presidente chinês deve apresentar aos líderes os desafios da cooperação com o continente africano.

Para terça-feira está prevista uma mesa redonda, em que os líderes africanos e chinês vão trocar impressões sobre o progresso das relações entre a China e África, questões de políticas regionais e internacionais. A Cimeira de Pequim deve aprovar dois documentos que vão espelhar as intenções das partes em relação à parceria comum que será conhecida como “Declaração de Pequim para Construir uma Comunidade de Destino Comum e uma África Mais Sólida” e o “Plano de Pequim 2019-2021”.

Na capital chinesa, à margem da cimeira, têm decorrido reuniões de oficiais seniores entre as partes e uma conferência ministerial para preparar a documentação a ser aprovada pelos chefes de Estado. Esta é a terceira cimeira, depois da de Pequim, em 2006, e da de Joanesburgo (África do Sul), em 2015.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)