Rádio Observador

Marte

Sonda Opportunity vai ser declarada morta se não acordar até meados de outubro

A sonda Opportunity continua em silêncio depois de ter hibernado por causa de uma tempestade em Marte. A NASA diz que a vai dar como perdida, se não der sinais de vida no próximo mês e meio.

JPL NASA

A NASA, a agência norte-americana de exploração espacial, vai declarar a sonda Opportunity como morta se o rover não der sinais de vida até meados de outubro. Desde 10 de junho que a sonda marciana não comunica com os engenheiros em Terra, após ter sido atingida por uma tempestade de grandes dimensões que a impediu de receber energia solar. De acordo com do Laboratório de Propulsão a Jacto, responsável pela sonda, se a Opportunity não comunicar com a Terra no próximo mês e meio “a equipa será forçada a concluir que a poeira bloqueadora do Sol e o frio marciano podem ter causado algum tipo de falha da qual o rover provavelmente não se recuperaria”.

Desde meados de junho que uma tempestade local reconhecida pela Mars Reconnaissance Orbiter, que está em órbita do planeta para vasculhar o solo marciano e procurar sinais de vida, se transformou numa tempestade de areia gigantesca que estava a dar a volta ao planeta. Pelo caminho tinha engolido a sonda Opportunity, fazendo com que hibernasse por não ter contacto suficiente com a luz solar para produzir energia e manter-se acordada. A NASA previu que a sonda “tinha sofrido uma falha de baixa energia, entrando em hibernação até o céu eventualmente ficar limpo”, mas já lá vão quase três meses sem que a Opportunity acorde do sono profundo.

A Mars Reconnaissance Orbiter já avisou os engenheiros da NASA que a tempestade continua a diminuir de intensidade: o céu vai ficar limpo em breve no Vale da Preserverança — última localização conhecida da sonda -, por isso é possível que a sonda receba energia solar suficiente em breve para voltar a comunicar com a Terra e assim ” iniciar automaticamente os procedimentos de recuperação”. “Quando o nível tau [uma medida da quantidade de partículas suspensas no céu marciano] cair abaixo de 1,5 começaremos um período de tentativa ativa de comunicação com o rover, enviando comandos através das antenas da Deep Space Network da NASA. Assumindo que recebemos mensagens do Opportunity, começaremos o processo de descobrir o seu estado de saúde e colocá-lo de volta online”, disse um dos gestores de projeto da NASA.

Se mesmo com o céu limpo a Opportunity não der novidades, então a NASA planeia dar a sonda com 15 anos como morta. Mas isso não significa que a agência espacial vá desistir completamente dela: “Neste ponto, a nossa fase ativa de chegar ao Opportunity acabará. No entanto, na improvável possibilidade de haver uma grande quantidade de poeira nos painéis solares que esteja a bloquear a energia do Sol, continuaremos com os esforços de escuta passiva por vários meses”, desvenda o Laboratório.

Ao longo desses meses, um grupo específico do Laboratório vai dedicar-se a explorar milímetro a milímetro todas as frequências vindas do espaço para entender se alguma vinda de Marte corresponde à voz da Opportunity: “Os vários meses adicionais de audição passiva são um descargo de consciência para a possibilidade de que um remoinho do Planeta Vermelho possa aparecer e literalmente limpar o pó dos painéis solares do Opportunity. Esses ‘eventos de limpeza’ foram descobertos em 2004, quando, em várias ocasiões, os níveis de potência das baterias a bordo do Spirit e do Opportunity aumentaram muito durante a noite de Marte, quando a expectativa lógica era de que continuassem a diminuir”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)