Lançamentos

Jonathan Littell tem um novo romance e chega a Portugal em novembro

O romance "Uma História Antiga", publicado 12 anos depois de "As Benevolentes", vai chegar às livrarias portuguesas em novembro. A edição é da Dom Quixote.

Jonathan Littell ficou conhecido com o romance histórico "As Benevolentes"

AFP/Getty Images

A Dom Quixote vai publicar, em novembro, o novo livro de Jonathan Littell, Uma História Antiga. A obra — editada em março de 2018 em França — marcou o regresso do escritor ao romance, passados 12 anos da publicação de As Benevolentes, livro que o tornou mundialmente conhecido.

Originalmente intitulado Une Vieille Histoire, o último romance de Littell foi inspirado por uma novela com o mesmo nome  em Fata Morgana, uma coletânea de histórias antigas e novelas recentes publicada em 2012. Estendendo os temas tratados em “Une Vieille Histoire”, o autor que nasceu nos Estados Unidos da América e cresceu em França criou uma teia complexa de acontecimentos onde o real e o surreal se misturam.

Dividido em sete episódios, de onde o protagonista vai saindo e entrando, como se de um sonho se tratasse, a obra explora os limites do tempo e do espaço, sempre de forma provocadora e, por vezes, com uma pitada de ironia. Segundo o Télérama, no romance é possível detetar a influência de autores como Maurice Blanchot, Marquês de Sade e Samuel Beckett.

Jonathan Littell ficou conhecido depois da publicação de As Benevolentes, em 2006, romance que se tornou um bestseller e que arrecadou dois dos mais importantes galardões literários franceses, o Grande Prémio da Academia Francesa e o Goncourt. Com mais de 900 páginas, As Benevolentes conta a história de Maximilien Aue, um ex-oficial nazi que, sem arrependimento, relata como participou em alguns dos acontecimentos mais negros da História. O romance está publicado em Portugal, também pela Dom Quixote.

Até ao final do ano, a Dom Quixote vai ainda publicar novos livros de Pepetela (Sua Excelência, de Corpo Presente), de Afonso Reis Cabral (Pão de Açúcar), ambos em setembro, de António Lobo Antunes (A Última Porta Antes da Noite) e Maria Teresa Horta (Estranhezas), em outubro, entre outros.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)