Operação Marquês

A dúvida mantém-se: irá José Sócrates pedir instrução?

José Sócrates ainda não esclareceu se vai ou não pedir a instrução da Operação Marquês. No limite dos limites, pode fazê-lo até às 24h desta quinta-feira, por fax, e-mail ou carta.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

José Sócrates vai pedir a abertura instrução na Operação Marquês? O suspense vai continuar, pelo menos até às 24h desta quinta-feira, 6 de setembro. Nos últimos dias, muitos têm sido os arguidos da Operação Marquês a pedir a abertura de instrução (uma espécie de pré-julgamento em que o acusado pede que um juiz analise o caso construído pelo Ministério Público antes de o processo ir a tribunal).

Até segunda-feira, dia 3 (o prazo para entrega dos requerimentos), Henrique Granadeiro, Bárbara Vara, Zeinal Bava, Joaquim Barroca e empresas do Grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) foram os únicos a formalizar este pedido judicial. O nome de José Sócrates não fazia parte desta listagem, o que adensou a incerteza sobre se o ex-primeiro-ministro iria adotar a mesma posição de Ricardo Salgado, que decidiu não pedir a instrução do processo, ou se iria aproveitar o prazo extra de três dias (mediante pagamento de uma multa), que está previsto na lei.

Terça-feira, 4 de setembro. Segundo informações da PGR, no primeiro dia da extensão de prazo houve mais uma enchente de pedidos de instrução, enviados por Hélder Bataglia, Rui Mão de Ferro, Gonçalo Ferreira e o Vale do Lobo Resort Turísticos de Luxo e Oceano Clube. Sócrates? Nada.

Dois dias depois da última vaga de pedidos de instrução, já com o prazo limite final no horizonte — expira às 24h desta quinta-feira, 6 de setembro –, surgem novos requerimentos, nomeadamente de José Paulo Pinto de Sousa, José Diogo Ferreira, a empresa Pepelan e de Carlos Santos Silva. Pelo que se pode ver, continua a faltar um dos nomes mais importantes deste processo. Até às 24h, José Sócrates pode ainda enviar o pedido via fax, e-mail ou carta (desde que se prove que esta foi enviada em tempo útil).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.582

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)