Eurogrupo

Centeno apela para que governos avancem com reformas urgentes na zona euro

268

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, alertou para riscos que podem pôr em causa a recuperação económica nos países do euro, caso não avancem com reformas urgentes

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, apelou hoje para que os governos dos países que partilham a moeda única avancem com reformas urgentes na zona euro, considerando que há vários riscos a porem em causa a recuperação económica.

“Estamos a expor a nossa recuperação a testes desnecessários”, disse Centeno num evento em Viena, na Áustria, citado pela agência de informação financeira Bloomberg.

O presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças de Portugal considerou que as tensões na política e no comércio e a saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’) “são algumas das nuvens no horizonte” de uma união monetária “incompleta”.

“Eles devem-nos levar a continuar com as reformas que iniciamos com um senso de urgência”, vincou.

Esta sexta-feira decorre em Viena, sob a presidência de Mário Centeno, a “rentrée” dos ministros das Finanças da zona euro.

Na primeira reunião do Eurogrupo dos últimos oito anos sem qualquer país sob “resgate” — a Grécia saiu do seu terceiro programa de assistência financeira em agosto passado -, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) vão dar conta ao fórum de ministros das Finanças dos resultados da sua oitava missão pós-programa a Portugal, que decorreu entre 05 e 12 de junho passado.

No relatório com as conclusões da missão, publicado na terça-feira, o executivo comunitário reiterou que a situação económico-financeira de Portugal continua “largamente favorável” no curto prazo, mas reforça a importância de o país prosseguir a consolidação fiscal e as reformas estruturais num contexto de crescente incerteza externa.

Na reunião do Eurogrupo será ainda feito um ponto da situação do processo de aprofundamento da União Económica e Monetário, à luz da cimeira do Euro que decorreu em Bruxelas em junho último.

Os ministros vão discutir, designadamente, a questão da criação de um novo instrumento para financiar o Fundo Único de Resolução bancária, o chamado ‘backstop’, considerado uma “rede de segurança” e instrumento de último recurso num cenário de crise sistémica, que deverá ser atribuído ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgate permanente da zona euro, tal como já foi acordado na cimeira de junho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)