Séries

Da Colômbia, “Narcos” viaja para o México. Nova série estreia em novembro na Netflix

Os criadores de Narcos mudaram-se Colômbia para o México e fizeram uma série sobre o narcotráfico mexicano e o cartel de droga de Guadalajara. A série estreia dia 16 de novembro. Conheça a história.

O ator Diego Luna interpretará o papel de Félix Gallardo, o Pablo Escobar mexicano, nesta nova série da Netflix, concebida por dois criadores de "Narcos"

Netflix

Começou por ser pensada como quarta temporada da série “Narcos”, um grande sucesso da Netflix inspirado no império de Pablo Escobar enquanto líder do grande cartel de narcotráfico de Medelín e na luta da polícia colombiana com o cartel de Cali, que ganhou poder depois da morte de Escobar. “Narcos: México”, no entanto, acabou por desenvolver-se de forma paralela e relativamente independente de “Narcos”. Se a geografia e as personagens são diferentes, o tema é próximo e a série é da autoria de dois dos três criadores de “Narcos”, Doug Miro e Carlo Bernard.

Segundo revela a sinopse da série — que já tem um teaser disponível, como pode ver acima, e que é inspirada em alguns factos reais –, “‘Narcos: México’ irá explorar as origens da guerra moderna contra as drogas indo às suas raízes, começando num tempo em que o mundo do tráfico mexicano era uma confederação desorganizada de produtores e traficantes independentes” e culminando no crescimento do Cartel de Gualajara durante a década de 1980.

O líder deste cartel foi Miguel Ángel Félix Gallardo, conhecido no seu país como “El Padrino” (“O Padrinho”). Nascido em 1946 em Culiacán, Sinaloa, México, Gallardo foi um dos mais poderosos narcotraficantes da América do Sul. Tal como Pablo Escobar, ficou conhecido por ter assegurado boas relações com as autoridades policiais locais, enquanto geria uma das maiores operações de tráfico de droga do mundo. A sua queda começou quando o polícia Enrique Camarena se infiltrou no cartel. Camarena acabou por ser raptado, torturado e assassinado por Félix Gallardo, mas a morte do polícia originou uma das maiores operações policiais de investigação de homicídios de sempre, intitulada Operação Leyenda (em português, Operação Lenda).

Félix Gallardo foi preso quatro anos depois do assassinato de Camarena, no final da década de 1980, acusado do rapto e homicídio deste agente da DEA (força especial norte-americana de combate ao narcotráfico), de tráfico de droga, de violência exercida em numerosos crimes e de prática de extorsão. Ao contrário de Escobar, Félix Gallardo ainda está vivo. A detenção do narcotraficante provocou uma verdadeira revolução no México, expondo a corrupção de dezenas de agentes policiais mexicanos. Nenhuma alta patente política, no entanto, foi condenada, embora Gallardo tivesse boas relações com diferentes autoridades locais.

Enquanto detido, Félix Gallardo conseguiu numa fase inicial manter em funcionamento a organização do cartel, através de comunicações por telemóvel. No entanto, acabou por ser transferido para uma prisão de segurança máxima. Há perto de três anos, o antigo narcotraficante foi transferido para uma prisão de segurança média em Guadalajara, devido a débeis condições de saúde. Um dos seus grandes sucessores no império do narcotráfico mexicano foi Joaquín “El Chapo” Guzmán, líder do Cartel de Sinaloa, que também se encontra detido atualmente.

O ator Michael Peña interpreta o papel de Kiki Camarena, agente que enfrentou o narcotraficante Félix Gallardo e que acabou raptado, torturado e morto por este. (@ Netflix)

Em “Narcos: México”, Félix Gallardo é interpretado pelo ator mexicano Diego Luna. Já o polícia Kiki Camarena é interpretado pelo ator Michael Peña, que tem, curiosamente, o mesmo apelido do agente que enfrentou Pablo Escobar, Javier Peña, que em “Narcos” foi interpretado pelo ator Pedro Pascal. A série chega à plataforma de streaming Netflix dia 16 de novembro, podendo também ser vista na Netflix portuguesa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)