Coreia do Norte

Inundações na Coreia do Norte provocam pelo menos 76 mortos e 75 desaparecidos

As chuvas torrenciais registadas nas províncias de Hwanghae do Norte e do Sul provocaram inundações, deslizamentos de terras e o colapso de mais de 800 edifícios, incluindo escolas e centros médicos.

Ana Freitas/LUSA

Pelo menos 76 pessoas morreram e outras 75 estão dadas como desaparecidas, incluindo várias crianças, na Coreia do Norte na sequência de graves inundações que estão a afetar aquele país, informou esta quinta-feira a Cruz Vermelha.

A organização internacional, que tem vários voluntários mobilizados no terreno para encontrar possíveis sobreviventes, divulgou que as chuvas torrenciais registadas nas províncias de Hwanghae do Norte e do Sul (na zona sul do território norte-coreano) provocaram inundações, deslizamentos de terras e o colapso de mais de 800 edifícios, incluindo escolas e centros médicos.

As más condições meteorológicas também provocaram milhares de desalojados. “Milhares de pessoas perderam as respetivas casas e têm a necessidade urgente de serviços de saúde, abrigos, alimentação, água potável e de instalações sanitárias”, afirmou John Fleming, elemento do ramo norte-coreano da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

“Com a estação fria a chegar, estamos preocupados com as consequências deste desastre no aumento dos riscos de problemas de saúde e de insegurança alimentar em algumas comunidades”, acrescentou o representante.

A Coreia do Norte, país marcado por níveis de pobreza muito elevados, é particularmente vulnerável a desastres naturais. Em 2016, mais de 130 pessoas morreram na província de Hamgyong Norte (nordeste) na sequência de inundações que destruíram muitos edifícios e deixaram centenas de milhares de pessoas sem casa e sem comida.

O território do país é composto maioritariamente por montanhas e colinas, que foram totalmente desbravadas para fornecer lenha ou para serem transformadas em terrenos de cultivo, nomeadamente para a cultura do arroz. Tais medidas permitem uma circulação livre e desimpedida das águas pluviais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)