535kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Norte-americano residente em Lisboa salva-se de acidente graças a post no Facebook

Este artigo tem mais de 4 anos

Mikey Lythcott, de 36 anos, estava de férias na Indonésia quando teve um acidente de mota que lhe provocou múltiplas fracturas. Foi salvo algumas horas depois graças a uma publicação no Facebook.

Aos 36 anos, Mikey Lythcott já visitou os quatro cantos do mundo. A sua última viagem, em agosto, levou o norte-americano residente em Lisboa à ilha de Bali, na Indonésia, onde se encontrou com Stacey Eno, uma professora de inglês na Coreia do Sul que conheceu em fevereiro enquanto viajava pela Tailândia e com a qual tinha combinado encontrar-se no mês passado.

As férias tinham tudo para correr bem, mas a viagem teve um desfecho trágico: poucas horas depois de terem chegado a Bali, Mikey Lythcott e Stacey Eno tiveram um acidente de mota na zona florestal de Ubud e caíram por uma ravina. Apesar de não terem perdido imediatamente a consciência, nenhum dos dois se conseguia mexer. “Pensei: ‘Vou morrer aqui'”, confessou Lythcott à CNN. “Ninguém sabia que estávamos ali, que estávamos os feridos e, por um instante, nem sequer me conseguia lembrar de como é que lá tínhamos chegado.”

Mikey Lythcott começou a pensar no que podia fazer para sair daquela situação. O telemóvel que trazia com um cartão SIM indonésio tinha-lhe caído do bolso mas, para sua grande surpresa, o norte-americano ainda lá estava. “Peguei nele, liguei o roaming internacional e consegui um sinal fraco.” Entrou na conta de Facebook, onde costuma documentar as suas viagens e deixou um pedido desesperado de ajuda no mural: “Socorro. Em perigo. Chamem a polícia”. Ficou à espera.

A resposta não tardou a chegar. Aimee Sparks, de Seattle, viu a mensagem “um ou dois minutos depois” e tentou entrar em contacto com o amigo. “Entrei na página de Facebook dele. Ia-lhe mandar uma mensagem quando me lembrei que agora existe a opção de fazer uma chamada. Então, liguei-lhe. Acho que fui a primeira pessoa a falar com ele”, contou também à CNN. “Foi ótimo falar com ele porque algumas pessoas estavam preocupadas que o dele telemóvel tivesse sido roubado ou que a conta [da rede social] tivesse sido ‘hackeada'”, acrescentou.

Depois de falar com o amigo, Aimee Sparks, que conhece Mikey Lythcott de 2004, apercebeu-se de que o norte-americano estava gravemente ferido e que precisava urgentemente de ajuda. “Ele disse-me que não sabia onde estava, que tinha acordado no meio da floresta. Estava muito desorientado. Pedi-lhe para me mandar um pin [que assinalava o local onde estava], e ele fez isso.”

Foi graças a este pin que os amigos que Lythcott foi fazendo pelos vários cantos do mundo conseguiram entrar em contacto com o consulado norte-americano em Bali, explicar o que tinha acontecido e indicar o local acidente. “Recebi uma chamada do consulado de um homem chamado Joe, que me disse que a ajuda estava a caminho e que me pediu para o ajudar a encontrar-me”, contou Mikey Lythcott. “Disse-lhe que havia um hotel perto do meu pin, e que eu estaria mesmo a seguir.” Depois disso, Lythcott ficou sem bateria.

De acordo com Mikey Lythcott, terão passado três a quatro horas até que  começou a ouvir pessoas na estrada. Era a equipa de resgate. Ele e Stacey Eno foram colocados na parte de trás de uma carrinha e transportados para o hospital local. Depois de feitos alguns exames, percebeu-se que era preciso transferi-los para um estabelecimento médico com melhor equipamendo. Foram então levados para o BIMC Hospital, em Kuta, em Bali.

Mikey Lythcott, o mais ferido dos dois, foi operado a uma fratura no crânio, ao pulso e ao abdómen. Eno fraturou os ossos das bochechas, o nariz e o pulso, mas foi-lhe dada alta. Lythcott esteve no hospital até 3 de setembro, e parte dos tratamentos foi paga através de uma campanha de angariação. Apesar de tudo o que passou, considera-se um sortudo — sobreviveu a um acidente trágico, e tudo graças ao Facebook.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.