Um estudo publicado pelo “British Medical Journal” dá conta de que o diclofenac, componente utilizado em alguns analgésicos como o Voltaren ou o Arthrotec (ambos vendidos em Portugal), aumenta em 50% as probabilidades de ter um enfarte.

O mesmo estudo conclui ainda que a toma desta substância também tem interferência nas arritmias cardíacas, acidentes vasculares cerebrais isquémicos, insuficiência cardíaca e ataque cardíaco no espaço de 30 dias após o início do tratamento, sobretudo quando comparado com outras substâncias analgésicas, como o ibuprofeno, o naproxeno ou o paracetamol.

“O diclofenac comporta um grande risco para a saúde cardiovascular dos indivíduos comparativamente a quem não o consome, ou a quem toma outros analgésicos e anti-inflamatórios, tais como o paracetamol ou ibuprofeno”, indicou Morten Schmidt, cardiologista que conduziu o estudo.

O ensaio incidiu em dados recolhidos entre 1996 e 2016 a partir de 6,3 milhões de adultos e os resultados atribuem a mesma probabilidade a homens e mulheres de todas as idades.

Os investigadores que conduziram o estudo, no Hospital Universitário Aarhus, na Dinamarca, aconselham os pacientes a procurarem outros tratamentos e outras substâncias antes de recorrerem ao diclofenac, que só deveria ser usado em “última opção”. Os especialistas recomendam ainda uma ação global para que os medicamentos não sejam vendidos sem prescrição médica, como forma de proteger os pacientes.