A Comissão Técnica do Fundo Revita também vai avaliar suspeitas de irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios de 2017 em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, afirmou esta sexta-feira o presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

Antes do início da reunião da Comissão Técnica do Fundo Revita, Valdemar Alves, em declarações aos jornalistas, revelou que, para além de “20 e tal casos de Pedrógão Grande”, vão ser também avaliados “dois ou três da Castanheira de Pera e um de Figueiró dos Vinhos”. “A Comissão Técnica vai avaliar todos os casos que merecem dúvidas”, acrescentou o autarca de Pedrógão Grande.

A Comissão Técnica do Fundo Revita (órgão gestor dos fundos de apoio à reconstrução das casas afetadas pelo grande incêndio de junho de 2017) analisou esta sexta-feira, em Pedrógão Grande, face às suspeitas de irregularidades, os processos de reconstrução de habitações afetadas pelos fogos.

Em causa, está o inquérito aberto em julho pelo Ministério Público para investigar irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017, após reportagem da revista Visão.

A 30 de agosto, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, disse aos jornalistas que já foram remetidos ao Ministério Público 21 processos no âmbito de alegadas irregularidades na reconstrução de habitações.

O fogo que começou em Pedrógão Grande, em junho de 2017, provocou 66 mortos e mais de 200 feridos.