O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, chegou a Cabul na sexta-feira para uma visita surpresa, durante a qual se encontrará com o Presidente afegão, Ashraf Ghani e com novo comandante das forças dos EUA e da NATO. Atualmente, os Estados Unidos têm 14 mil soldados no Afeganistão, o maior contingente dos EUA, numa missão da NATO para apoiar e treinar as forças de segurança afegãs.

A visita de Mattis, a segunda ao Afeganistão no espaço de poucos meses, chega num momento crucial do conflito que dura há mais de 17 anos. As forças afegãs e norte-americanas fizeram poucos progressos na luta contra os Talibã, o maior grupo insurgente do Afeganistão, e os atores diplomáticos estão a multiplicar esforços no processo de negociações de paz.

Um cessar-fogo sem precedentes em junho, seguido de uma reunião entre autoridades dos EUA e representantes talibãs no Qatar em julho, alimentou as esperanças de que as negociações pudessem colocar um ponto final nos combates, mas uma recente onda de ataques do grupo extremista e do Estado Islâmico, que matou centenas de forças de segurança e civis, minou seriamente esse otimismo.