Fogo de Pedrógão Grande

Autarca diz que não há casos suspeitos na reconstrução em Figueiró dos Vinhos após incêndio de Pedrógrão

O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos diz que não há casos suspeitos de irregularidades na reconstrução de casas no seu concelho, ao contrário do que foi dito pelo autarca de Pedrógão Grande.

RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos garantiu este sábado que não há nenhum caso suspeito de irregularidades na reconstrução de casas no seu concelho, ao contrário do que foi dito na sexta-feira pelo autarca de Pedrógão Grande.

“Não há nenhum caso suspeito”, disse este sábado à agência Lusa o presidente do município, Jorge Abreu, desmentindo as declarações proferidas pelo autarca de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, na sexta-feira, em que disse que a Comissão Técnica do Fundo Revita também estaria a avaliar suspeitas de irregularidades em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

Segundo Jorge Abreu, o município não tem conhecimento de qualquer caso suspeito no concelho, não tendo recebido qualquer tipo de denúncia, nem a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) tem conhecimento de qualquer caso de Figueiró dos Vinhos.

“Não há nenhum caso e, se houver algum, que digam. Estamos à vontade e todos os regulamentos foram cumpridos” na reconstrução das casas de primeira habitação em Figueiró dos Vinhos, um dos concelhos mais afetados pelo grande incêndio de junho de 2017, que deflagrou em Pedrógão Grande.

Em causa, estão as declarações do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, que, antes da reunião da Comissão Técnica do Fundo Revita, na sexta-feira, afirmou que iam ser avaliados “dois ou três casos da Castanheira de Pera e um de Figueiró dos Vinhos”.

Em declarações à Lusa, Jorge Abreu afirmou que ainda na sexta-feira falou com a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, que lhe garantiu que os 21 casos que tinha enviado para o Ministério Público eram “todos de Pedrógão Grande. Não havia casos nem de Figueiró dos Vinhos, nem de Castanheira de Pera”.

De acordo com o autarca de Figueiró dos Vinhos, Valdemar Alves terá feito “alguma confusão”.

“Na realidade, estava um caso de Figueiró na ordem de trabalhos” da comissão técnica, não suspeito de irregularidades, mas apenas para prestação de informação, esclareceu Jorge Abreu.

O caso estava relacionado com um proprietário que não estava interessado em reconstruir a casa de primeira habitação e que ainda não terá sequer executado qualquer obra e que queria saber se o fundo Revita lhe pagaria a diferença daquilo que o seguro lhe tinha dado.

“Esse caso foi para lá apenas para informar a comissão”, acrescentou o autarca.

Questionada pela Lusa, a presidente da Câmara de Castanheira de Pera recusou-se, por agora, a prestar qualquer comentário.

A agência Lusa tentou ainda, sem sucesso, contactar a presidente da CCDRC e o presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

A Comissão Técnica do Fundo Revita (órgão gestor dos fundos de apoio à reconstrução das casas afetadas pelo grande incêndio de junho de 2017) analisou na sexta-feira, em Pedrógão Grande, os processos de reconstrução de habitações afetadas pelos fogos, face às suspeitas de irregularidades.

Em causa, está o inquérito aberto em julho pelo Ministério Público para investigar irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017, após reportagem da revista Visão que relatava situações de apoio a reconstrução de casas que não eram de primeira habitação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)