Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Autarca diz que não há casos suspeitos na reconstrução em Figueiró dos Vinhos após incêndio de Pedrógrão

O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos diz que não há casos suspeitos de irregularidades na reconstrução de casas no seu concelho, ao contrário do que foi dito pelo autarca de Pedrógão Grande.

RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos garantiu este sábado que não há nenhum caso suspeito de irregularidades na reconstrução de casas no seu concelho, ao contrário do que foi dito na sexta-feira pelo autarca de Pedrógão Grande.

“Não há nenhum caso suspeito”, disse este sábado à agência Lusa o presidente do município, Jorge Abreu, desmentindo as declarações proferidas pelo autarca de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, na sexta-feira, em que disse que a Comissão Técnica do Fundo Revita também estaria a avaliar suspeitas de irregularidades em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

Segundo Jorge Abreu, o município não tem conhecimento de qualquer caso suspeito no concelho, não tendo recebido qualquer tipo de denúncia, nem a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) tem conhecimento de qualquer caso de Figueiró dos Vinhos.

“Não há nenhum caso e, se houver algum, que digam. Estamos à vontade e todos os regulamentos foram cumpridos” na reconstrução das casas de primeira habitação em Figueiró dos Vinhos, um dos concelhos mais afetados pelo grande incêndio de junho de 2017, que deflagrou em Pedrógão Grande.

Em causa, estão as declarações do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, que, antes da reunião da Comissão Técnica do Fundo Revita, na sexta-feira, afirmou que iam ser avaliados “dois ou três casos da Castanheira de Pera e um de Figueiró dos Vinhos”.

Em declarações à Lusa, Jorge Abreu afirmou que ainda na sexta-feira falou com a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, que lhe garantiu que os 21 casos que tinha enviado para o Ministério Público eram “todos de Pedrógão Grande. Não havia casos nem de Figueiró dos Vinhos, nem de Castanheira de Pera”.

De acordo com o autarca de Figueiró dos Vinhos, Valdemar Alves terá feito “alguma confusão”.

“Na realidade, estava um caso de Figueiró na ordem de trabalhos” da comissão técnica, não suspeito de irregularidades, mas apenas para prestação de informação, esclareceu Jorge Abreu.

O caso estava relacionado com um proprietário que não estava interessado em reconstruir a casa de primeira habitação e que ainda não terá sequer executado qualquer obra e que queria saber se o fundo Revita lhe pagaria a diferença daquilo que o seguro lhe tinha dado.

“Esse caso foi para lá apenas para informar a comissão”, acrescentou o autarca.

Questionada pela Lusa, a presidente da Câmara de Castanheira de Pera recusou-se, por agora, a prestar qualquer comentário.

A agência Lusa tentou ainda, sem sucesso, contactar a presidente da CCDRC e o presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

A Comissão Técnica do Fundo Revita (órgão gestor dos fundos de apoio à reconstrução das casas afetadas pelo grande incêndio de junho de 2017) analisou na sexta-feira, em Pedrógão Grande, os processos de reconstrução de habitações afetadas pelos fogos, face às suspeitas de irregularidades.

Em causa, está o inquérito aberto em julho pelo Ministério Público para investigar irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo incêndio de junho de 2017, após reportagem da revista Visão que relatava situações de apoio a reconstrução de casas que não eram de primeira habitação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)