A chanceler alemã pediu este sábado aos macedónios para aproveitarem uma oportunidade “histórica” e aprovarem em referendo um acordo com a Grécia sobre a mudança de nome do país, crucial para uma adesão à NATO e à União Europeia (UE).

“Claro que não interfiro na decisão dos vossos cidadãos e cidadãs, mas posso dizer por experiência que esta oportunidade histórica não surge todos os dias”, declarou Angela Merkel em conferência de imprensa.

“O dia 30 de setembro é uma oportunidade histórica”. Este referendo “abre definitivamente a porta a uma participação do vosso país na família euro-atlântica”, reforçou a chanceler, após um encontro com o seu homólogo macedónio, Zoran Zaev, em Skopje.

Os eleitores da Macedónia são chamados a pronunciar-se em referendo sobre a mudança de nome do país para “República da Macedónia do Norte”.

A Grécia opõe-se ao uso da designação de Macedónia pelo país vizinho, uma vez que tem uma província com o mesmo nome e pretende evitar pretensões territoriais, bloqueando a adesão da Macedónia à NATO e à UE.

Os dois países assinaram a 17 de junho um acordo para dar um outro nome à antiga república jugoslava, com o objetivo de resolver um diferendo de 27 anos e abrir caminho à adesão de Skopje à UE e à aliança militar.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, e o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, deixaram esta semana mensagens idênticas à da chanceler alemã quando se deslocaram a Skopje.

“A porta da NATO está aberta, mas só o povo deste país pode decidir, o vosso futuro está nas vossas mãos”, declarou Jens Stoltenberg na quinta-feira.

O resultado do referendo é incerto, uma vez que a oposição macedónia de direita, hostil a qualquer compromisso com Atenas, deve apelar ao “Não”. Angela Merkel vai também reunir-se com o seu dirigente, Hristijan Mickoski.