Rádio Observador

Futebol

Fernando Santos avisa que Itália “continua a ser um histórico mundial”

Selecionador avisa que Itália "continua a ser um histórico mundial, apesar de ter falhado o Mundial2018, e revelou que o 'onze' luso será semelhante ao apresentado no particular com a Croácia (1-1).

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O selecionador português de futebol afirmou este domingo que a Itália “continua a ser um histórico mundial, apesar de ter falhado o Mundial2018, e revelou que o ‘onze’ luso será semelhante ao apresentado no particular com a Croácia (1-1).

Tanto a Croácia como a Itália são duas grandes seleções. A Itália é um histórico mundial e não é por não ter estado presente no último Mundial que deixa de o ser. O jogo com a Croácia era particular, não tinha pontos. Este jogo já se insere numa nova competição. Espero que a minha equipa esteja ao seu nível”, afirmou Fernando Santos, em conferência de imprensa.

O técnico fazia a antevisão da partida com os transalpinos, que marca a estreia de Portugal no Grupo 3 da Liga das Nações A, na segunda-feira, sendo que a ‘squadra azzurra’ empatou o primeiro jogo, a receção à Polónia (1-1).

“Acho que vai ser um grande jogo. Sabemos o valor da equipa da Itália. Na primeira parte, a Polónia conseguiu criar mais problemas à Itália em transições. Na segunda parte, a Itália foi mais forte, mais pressionante e chegou ao empate. A Itália tem essa vontade enorme de mostrar a sua mais-valia, depois de ter falhado o Mundial”, referiu.

O selecionador nacional destacou, entre outros, o médio italo-brasileiro Jorginho, que trouxe “características de jogo diferentes” à formação comandada por Roberto Mancini, bem como Lorenzo Insigne e Federico Chiesa. Apesar de considerar que “não há favoritos neste tipo de competições”, Santos admitiu que “o apoio do público pode dar alguma vantagem” a Portugal, que não deverá apresentar-se com uma equipa titular muito distante da que defrontou a Croácia: “Não espero muitas alterações.”

Com alguns jornalistas italianos presentes na conferência de imprensa, acabou por surgir uma questão sobre a falta de golos de Cristiano Ronaldo nos primeiros três jogos oficiais pela Juventus, algo que Fernando Santos desvalorizou. “Esperem um bocadinho e vão ver os golos que ele vai marcar”, atirou, de pronto.

Já Pepe disse esperar “um jogo difícil” perante a Itália e mostrou-se “bastante feliz” por ter atingido as 100 internacionalizações por Portugal, no recente particular com a Croácia. “Nunca pensei que pudesse fazer tantos jogos, até porque temos uma profissão arriscada, com lesões e épocas desgastantes. Ainda cheguei lá. Estou bastante feliz por representar a seleção portuguesa, isso, sim, um sonho”, salientou.

Aos 35 anos, o central do Besiktas, que já leva cinco golos esta temporada, um dos quais no empate de Portugal com a Croácia, disse que “o trabalho em cada treino e a atenção elevada na hora de recuperar” são a base para a longevidade na carreira e no rendimento. Por outro lado, Pepe deixou elogios à nova geração de jogadores que começa a surgiu na seleção principal, entre os quais os centrais Pedro Mendes e Rúben Dias, este último com quem já formou parceria no eixo defensivo.

“Portugal é que sai mais beneficiado. Esta geração vem com muita qualidade. Uma das virtudes do Rúben é a humildade, quer sempre aprender. O futuro passa por eles. Espero que o futuro seja bastante risonho para todos eles e para nós, portugueses”, concluiu.

Portugal recebe a Itália na segunda-feira, a partir das 19:45, no Estádio da Luz, em Lisboa, num encontro que será dirigido pelo escocês William Collum.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)