Catalunha

Catalunha. Se eleições fossem hoje, Ciudadanos já não era o mais votado e separatistas mantinham maioria

Se as eleições na Catalunha, que em dezembro deram vitória aos independentistas, fossem hoje, o partido mais votado seria a Esquerda Republicana, e não o Ciudadanos. Bloco separatista mantinha maioria

ALBERTO ESTEVEZ/EPA

Unionistas contra separatistas? Voltariam a ganhar os separatistas. Na véspera da comemoração do dia nacional da Catalunha, uma sondagem da SocioMétrica divulgada pelo El Español dá conta de que, se as eleições na Catalunha fossem hoje, voltaria a ganhar o bloco separatista, embora com algumas alterações ao nível das intenções de voto.

O partido mais votado hoje não seria o Ciudadanos (unionista), mas sim a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), partido separatista liderado por Oriol Junqueras, que teria 25,1% de votos, conseguindo eleger entre 35 a 37 assentos parlamentares. Nas eleições do final do ano passado, foi o Ciudadanos de Inés Arrimadas que foi o partido mais votado, com 25,3% dos votos e 36 deputados eleitos. Apesar de ter vencido, contudo, o Ciudadanos não conseguiu formar governo, porque o bloco independentista uniu-se no pós-eleições.

A avaliar pela sondagem da SocioMétrica, o Ciudadanos seria agora a segunda força política mais votada, ficando pelos 22,3% dos votos, e passando dos 36 deputados eleitos para algures entre os 31 e os 33 deputados. Mas, apesar da vitória da Esquerda Republicana, os blocos independentista/constitucionalista ficariam semelhantes: os separatistas continuariam a ter maioria suficiente (49%) para permanecer no governo da Generalitat, e os unionistas, juntos, ficariam pelos 42,3% dos votos.

A diferença mais significativa tem a ver com a alternância entre o partido de Carles Puigdemont, o Juntos Pela Catalunha, e o partido de Oriol Junqueras, a Esquerda Republicana (ERC). Ambos eram, respetivamente, presidente e vice-presidente do governo regional da Catalunha. Acontece que, a avaliar pela sondagem, a formação política de Puigdemont cairia dos 34 deputados eleitos para 25 a 27 deputados (18,4% dos votos), bem atrás dos 25,1% que teria a ERC. Ou seja, neste cenário, seria Oriol Junqueras a exigir a governação — o que adquire particular importância tendo em conta que, acusados criminalmente de rebelião contra o Estado espanhol, Junqueras enfrentou a prisão enquanto Puigdemont recorreu ao exílio.

Do lado dos unionistas, não haveria grandes diferenças, se as eleições fossem hoje. A pequena queda do Ciudadanos seria compensada com uma ligeira subida do PP (que passaria de 4 deputados para 5 ou 6), e o Partido Socialista da Catalunha (PSC) passaria dos 17 deputados para 20 ou 22, beneficiando talvez da chegada ao poder de Pedro Sánchez a nível nacional.

Segundo o El Español, a sondagem foi realizada tendo por base 1.200 entrevistas, via telefone fixo, móvel ou internet, e feitas entre 22 e 30 de agosto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)