Catalunha

Catalunha. Se eleições fossem hoje, Ciudadanos já não era o mais votado e separatistas mantinham maioria

Se as eleições na Catalunha, que em dezembro deram vitória aos independentistas, fossem hoje, o partido mais votado seria a Esquerda Republicana, e não o Ciudadanos. Bloco separatista mantinha maioria

ALBERTO ESTEVEZ/EPA

Unionistas contra separatistas? Voltariam a ganhar os separatistas. Na véspera da comemoração do dia nacional da Catalunha, uma sondagem da SocioMétrica divulgada pelo El Español dá conta de que, se as eleições na Catalunha fossem hoje, voltaria a ganhar o bloco separatista, embora com algumas alterações ao nível das intenções de voto.

O partido mais votado hoje não seria o Ciudadanos (unionista), mas sim a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), partido separatista liderado por Oriol Junqueras, que teria 25,1% de votos, conseguindo eleger entre 35 a 37 assentos parlamentares. Nas eleições do final do ano passado, foi o Ciudadanos de Inés Arrimadas que foi o partido mais votado, com 25,3% dos votos e 36 deputados eleitos. Apesar de ter vencido, contudo, o Ciudadanos não conseguiu formar governo, porque o bloco independentista uniu-se no pós-eleições.

A avaliar pela sondagem da SocioMétrica, o Ciudadanos seria agora a segunda força política mais votada, ficando pelos 22,3% dos votos, e passando dos 36 deputados eleitos para algures entre os 31 e os 33 deputados. Mas, apesar da vitória da Esquerda Republicana, os blocos independentista/constitucionalista ficariam semelhantes: os separatistas continuariam a ter maioria suficiente (49%) para permanecer no governo da Generalitat, e os unionistas, juntos, ficariam pelos 42,3% dos votos.

A diferença mais significativa tem a ver com a alternância entre o partido de Carles Puigdemont, o Juntos Pela Catalunha, e o partido de Oriol Junqueras, a Esquerda Republicana (ERC). Ambos eram, respetivamente, presidente e vice-presidente do governo regional da Catalunha. Acontece que, a avaliar pela sondagem, a formação política de Puigdemont cairia dos 34 deputados eleitos para 25 a 27 deputados (18,4% dos votos), bem atrás dos 25,1% que teria a ERC. Ou seja, neste cenário, seria Oriol Junqueras a exigir a governação — o que adquire particular importância tendo em conta que, acusados criminalmente de rebelião contra o Estado espanhol, Junqueras enfrentou a prisão enquanto Puigdemont recorreu ao exílio.

Do lado dos unionistas, não haveria grandes diferenças, se as eleições fossem hoje. A pequena queda do Ciudadanos seria compensada com uma ligeira subida do PP (que passaria de 4 deputados para 5 ou 6), e o Partido Socialista da Catalunha (PSC) passaria dos 17 deputados para 20 ou 22, beneficiando talvez da chegada ao poder de Pedro Sánchez a nível nacional.

Segundo o El Español, a sondagem foi realizada tendo por base 1.200 entrevistas, via telefone fixo, móvel ou internet, e feitas entre 22 e 30 de agosto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)