CGTP

CGTP quer aumentos salariais de 4% para melhorar nível de vida dos portugueses

Segundo a CGTP, o aumento deve garantir um acréscimo salarial mensal mínimo de 40 euros a todos os trabalhadores, o salário mínimo nacional deve passar para 650 euros.

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CGTP exige aumentos salariais de 4% para 2019, com um acréscimo mensal mínimo de 40 euros, e o desagravamento dos impostos para que os trabalhadores portugueses possam melhorar o seu nível de vida, adiantou à Lusa fonte sindical.

Para que o objetivo seja alcançado, o aumento reivindicado pela central sindical deve garantir um acréscimo salarial mensal mínimo de 40 euros a todos os trabalhadores, o salário mínimo nacional deve passar para os 650 euros e deve ser adoptada uma política de habitação e fiscal compatível com o rendimento das famílias. Estas são algumas das prioridades da Política Reivindicativa para 2019, que o Conselho Nacional vai discutir e aprovar na quinta-feira.

As reivindicações foram definidas pela comissão executiva da Intersindical, no início de setembro, e estão nas mãos dos 147 elementos do Conselho Nacional, que terão ainda oportunidade de dar os seus contributos para melhorar a proposta.

Questionado sobre a Política Reivindicativa da central para 2019, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, explicou à agência Lusa que assenta num conjunto de eixos que têm como objetivo a melhoria das condições de vida e de trabalho das pessoas.

O aumento geral dos salários e pensões, para promover uma mais justa distribuição da riqueza, uma nova política fiscal, a criação de emprego estável e com direitos, a dinamização da contratação coletiva, a melhoria dos serviços públicos e sociais do Estado e a regionalização são esses eixos. “Numa altura em que nos encaminhamos para o fim da legislatura, é preciso responder aos problemas dos trabalhadores, da população em geral e do país, com novas políticas e com medidas concretas, que fiquem consagradas no Orçamento do Estado”, disse Arménio Carlos.

Como a CGTP entende que o nível de vida dos trabalhadores não é apenas determinado pelos salários recebidos, a central defende “uma política fiscal justa” e o combate à fraude e evasão fiscal. Por isso, a sua Política de Rendimentos para o próximo ano vai incluir o alargamento dos escalões do IRS, o englobamento de todos os rendimentos auferidos e o alargamento da base de tributação do IRC.

A central sindical vai reivindicar a descida da taxa do IVA para os 6% sobre os bens e serviços básicos, como a electricidade e o gás, os bens alimentares, o vestuário e calçado, os produtos de higiene e os bens culturais.

A taxação das transações financeiras, a tributação do património mobiliário e o aumento da tributação do património imobiliário de elevado valor e o fim dos paraísos fiscais são outras das reivindicações da Inter na área fiscal.

Na área social a CGTP defende uma política de redução das desigualdades, um programa de combate à pobreza e a melhoria da proteção no desemprego e das prestações sociais. Reivindica ainda a reposição da idade de reforma nos 65 anos e a possibilidade de reforma sem penalização para quem tenha uma carreira contributiva de pelo menos 40 anos.

O respeito pelos direitos laborais, uma intervenção eficaz da Autoridade para as Condições do Trabalho, a semana de trabalho de 35 horas para todos os trabalhadores, o fim da precariedade laboral e a melhoria da legislação laboral completam o leque de reivindicações que a CGTP aprovará na quinta-feira, para depois apresentar ao poder político e defender nas mesas negociais.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)