Estados Unidos da América

EUA. Hotéis vão dar “botões de pânico” aos funcionários para prevenir crimes e assédio sexual

Várias cadeias hoteleiras norte-americanas, incluindo a Hilton e a Marriott, vão fornecer "botões de pânico" aos funcionários para combater o assédio sexual e outros crimes.

Os "botões de pânico" foram descritos como caixinhas pretas com um botão vermelho, havendo a possibilidade de conterem um localizador GPS e emitirem sons fortes quando ativados.

AFP/Getty Images

Várias cadeias hoteleiras norte-americanas, incluindo a Hilton e a Marriott, vão fornecer “botões de pânico” aos funcionários para combater o assédio sexual e outros crimes. Depois de anos de resistência, anunciaram que vão, finalmente, ceder à pressão dos sindicatos e ativistas, reforçada pelo movimento #MeToo.

“Proteger os nossos empregados e os milhões de clientes que ficam hospedados nos nossos hotéis todos os dias tem uma importância primordial para a indústria”, disse Katherine Lugar, presidente e chefe executiva da Associação Americana de Hotéis e Alojamento, citada pela Reuters. Segundo a representante, esta medida representa um investimento de centenas de milhares de dólares e vai afetar dezenas de milhares de funcionários nos próximos anos.

O dispositivo foi descrito por Arne Sorenson, CEO do Marriott, como uma caixinha preta com um botão vermelho. Há ainda a possibilidade de este poder conter um localizador de GPS e emitir sons fortes quando ativado.

A Marriott International Inc e a Hilton Worldwide Holdings Inc comprometeram-se a fazer a medida entrar em vigor até 2020.  Outras cadeias — como a InterContinental Hotels Group Plc, a Wyndham Hotels & Resorts Inc e a Hyatt Hotels Corp — estão ainda a estudar a sua aplicação. No total, os cinco grupos totalizam cerca de 45% de todos os quartos de hotel nos EUA.

A indústria hoteleira e da restauração contabilizam o maior número de queixas de assédio sexual apresentadas na Comissão da Igual Oportunidade de Emprego, entre 2005 e 2015 (14%). Em Chicago, um estudo que entrevistou 500 mulheres concluiu que 58% das funcionárias de hotelaria e 77% de casinos já foram vítimas de assédio sexual por hóspedes.

Os sindicatos já tinham conseguido a adoção dos “botões de pânico” em várias cidades norte-americanas, nomeadamente em Washington, Seattle, Chicago, Las Vegas e Miami. Em Nova Iorque, vários hotéis adotaram o dispositivo desde 2012, quando o ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn foi acusado de abusar sexualmente de uma funcionária do hotel onde tinha estado hospedado em 2011.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)