Soraya Sáenz de Santamaría, antiga vice-presidente do Governo espanhol e que foi candidata à liderança do Partido Popular (PP) espanhol no último mês de julho decidiu abandonar a atividade política “e começar uma nova etapa”. A decisão foi comunicada esta segunda-feira de manhã ao líder do PP que a derrotou, Pablo Casado, durante uma reunião.

Num comunicado enviado à agência EFE, Soraya Sáenz de Santamaría disse que esta decisão é o resultado de uma “profunda reflexão e da convicção de que é o melhor tanto para a nova direção do PP”, para si e para a sua família. A ex-adversária de Casado na corrida à liderança do partido recorda os 18 anos de política como uma “experiência impagável” e diz que foi “uma honra” trabalhar ao lado de Mariano Rajoy, atribuindo ao antigo presidente do Governo espanhol o mérito de ter salvado o país “da maior crise económica da sua história recente”.

Fiéis, trabalhadoras e grandes rivais. Quem são as duas mulheres que querem suceder a Rajoy?

A direção do partido diz que foi apanhada de surpresa pela decisão. No momento do anúncio, o vice-secretário do PP, Javier Maroto, estava numa conferência de imprensa para falar, entre outras coisas, da marcação de uma reunião entre Casado e Soraya Sáenz para falarem sobre o futuro da antiga vice-presidente.

Soraya Sáenz de Santamaría foi derrotada por Pablo Casado no passado dia 21 de julho e desde então estava sem qualquer cargo na estrutura diretiva do PP, apesar de o novo líder lhe ter proposto ser vogal na Comissão Executiva Nacional do partido. Santamaría abandona também o cargo de deputada, que ocupda desde 2004.

No Twitter, Pablo Casado escreveu que agradece “muito a Soraya Saénz de Santamaría as quase duas décadas de trabalho e entrega ao Partido Popular e a Espanha”. Desejo-lhe os maiores êxitos nesta nova etapa que começa, na qual poderá continuar a contar com o nosso apoio e afeto”, concluiu.

Com uma carreira na política iniciada em 2000, foi ministra da Justiça, da Saúde, da Presidência e da Administração Interna, e vice-presidente do Governo espanhol entre Dezembro de 2011 e Junho passado, altura em que o executivo de Mariano Rajoy caiu depois de uma moção de censura liderada pelo PSOE de Pedro Sanchéz, atual presidente do Governo.