Assunção Cristas

Assunção Cristas. Os professores foram “aldrabados” pelo Governo

410

A líder do CDS-PP acusou esta terça-feira o Governo de ser "muito incompetente" e de estar "muito mal" na questão dos professores.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A líder do CDS-PP acusou esta terça-feira o Governo de ser “muito incompetente” e de estar “muito mal” na questão dos professores.  “Este governo tem andado muito mal nesta matéria porque não foi capaz de prever, de planear e de conversar com os professores”, considerou em entrevista ao programa “A Entrevista” da RTP3.

Assunção Cristas — que diz compreender “muito bem a razão dos professores” e as limitações do governo — vai mais longe e afirma que os professores foram “aldrabados” e “enganados” no último Orçamento de Estado e acusa o governo de prolongar negociações em várias áreas (saúde, educação, ferrovia) com o objetivo de descansar os que reivindicam.

Cristas afirmou que Mário Centeno se tornou num “super ministro” que se sobrepôs a outros ministros, que não conseguem cumprir aquilo a que se propõem. “Eu acho que este governo tem um primeiro-ministro e um ministro [das finanças]. O resto parecem todos secretários de estado.”

Para a líder do CDS, o governo “não faz um orçamento rigoroso, faz governo fantasioso”. Acusou Centeno de ser o “campeão das cativações”, que promete dinheiro aos diferentes setores e depois “agarra o dinheiro com toda a força” para no final dar “conta certa”. Nas palavras da líder do CDS, isto é uma “conversa desonesta” que “engana os parceiros da governação” e “todos os portugueses”.

Em oposição, Assunção Cristas sublinha que, na sua opinião, o CDS se apresenta como a “verdadeira alternativa”. “Sinto que somos o único partido no espetro político português que diz com toda a clareza que não quer viabilizar nunca um governo de António Costa.” E remata: “ou somos oposição ou apoiamos um governo que não tenha António Costa“.

Para as próximas eleições legislativas, mantém a ambição de se tornar primeira-ministra e liderar o primeiro governo encabeçado pelo CDS. Apesar de considerar que cada força política deve trabalhar por si para obter o melhor resultado eleitoral possível, não excluí a hipótese de negociar com o PSD após as eleições, mas garante que o apoio não é garantido à partida — “não há cheques em branco”.

A líder política defende um bloco de centro direita alternativo à solução governativa atual. Questionada relativamente à possibilidade de uma “gerigonça à direita”, Cristas afirma que “está tudo em aberto”.

Relativamente ao Partido Aliança de Santana Lopes, não acredita no risco de CDS perder votos para o novo partido e reafirma que o partido está numa fase de alargar o eleitorado. “Pelo contrário, o que eu acho é que tudo o que aparecer para termos um bom resultado no espaço de centro-direita pode ser muito bom para os tais 116 deputados.”

Durante a entrevista, Cristas desvaloriza ainda a taxa Robles. “É o Bloco de Esquerda a querer lavar a sua consciência e quer fazê-lo pelo canal errado.” Para a líder do CDS, baixar a especulação e garantir habitação passa por outras medidas como baixar a taxa aplicada a proprietários que têm um arrendamento de longa duração ou pegar no património público — ambas propostas que o seu partido tem defendido.

Quando o jornalista Vítor Gonçalves a questionou se considera ter culpa como a “ministra dos despejos”, que desempenhou um papel na lei que alegadamente desprotegeu os inquilinos, Cristas assumiu que é sempre possível fazer melhor. No entanto, declarou que, na conjuntura de 2011, conseguiu assegurar as “circunstâncias mais graves: fragilidade económica e idade”. “Hoje, temos diferentes problemas, diferentes daqueles que resolvemos em 2011. E como tal são precisas novas soluções”, concluiu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
597

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)