Diego Simeone abriu o jogo numa extensa entrevista ao programa El Partidazo, da Cadena Cope, onde falou de vários assuntos: a estreia do seu filho pela seleção argentina, as hipóteses do Atlético de Madrid sem Cristiano Ronaldo no rival Real, o ingresso de Courtois no adversário madrileno e a escolha entre Neymar e Mbappé. Pelo meio, o técnico colchonero abordou a exclusão de Griezmann dos eleitos para melhor jogador do mundo.

“O objetivo na Liga é estar nos três primeiros. Podemos ficar em terceiro, tranquilamente. No que aos resultados diz respeito, não somos piores do que o Real Madrid ou o Barcelona, mas nas características individuais dos jogadores, sim. Sem o Cristiano Ronaldo no Real Madrid ficámos mais próximos do nível deles, isso é certo”, afirmou Diego Simeone, que já viu a sua equipa conquistar a Supertaça Europeia sobre o rival merengue no primeiro jogo oficial da temporada (4-2).

No primeiro duelo madrileno sem Cristiano Ronaldo, o Atlético levou a melhor por 4-2 e conquistou a Supertaça Europeia frente ao Real (Créditos: Getty Images)

No Real Madrid encontra-se agora Thibaut Courtois. O guardião belga esteve três anos no Atlético, antes de singrar no Chelsea e rumar ao Santiago Bernabéu esta temporada. Na opinião de Simeone, a chegada do titular da Bélgica não assusta os colchoneros — o Atlético está mais bem servido. 

“O Courtois não jogaria a titular no Atlético porque o Oblak é melhor”, garantiu o argentino que conhece bem os dois guardiões e apostou no esloveno ex-Benfica desde que este chegou ao Wanda Metropolitano.

A entrevista ao programa El Partidazo prosseguiu e parou no plantel do Paris Saint-Germain, mais concretamente, na frente de ataque parisiense. Mbappé e Neymar estiveram em destaque no Mundial da Rússia, por razões opostas: o francês brilhou e sagrou-se campeão do mundo; o brasileiro não foi além dos quartos de final e ficou ligado a uma imagem de fiteiro, tantas foram as vezes que terminou as jogadas estendido no chão. Ainda assim, Simeone não tem dúvidas: entre um e o outro, a sua opção recairia sobre Neymar. 

Diego Simeone não hesita em escolher Neymar no lugar de Mbappé: o brasileiro tem mais noção de equipa, segundo o técnico argentino (Créditos: Getty Images)

“Escolho o Neymar, sem dúvida. Lembro-me do Barcelona de Luis Enrique e, nos jogos em que tinha de trabalhar, trabalhava. O Mbappé é muito mais individualista enquanto o Neymar tem uma forma de jogar pela equipa”, justificou o técnico argentino.

Se Mbappé não enche as medidas a Simeone, há outro francês que o faz: Antoine Griezmann. O avançado do Atlético de Madrid foi considerado o melhor jogador da Liga Europa na temporada passada e conquistou o mundial da Rússia ao serviço da seleção galesa, mas nem assim conseguiu um lugar nos nomeados para melhor jogador do mundo (Cristiano Ronaldo, Luka Modric e Mohamed Salah são os eleitos).

A exclusão do Griezmann não tem qualquer explicação. Foi campeão do mundo, ganhou a Supertaça da Europa e a Liga Europa e foi o melhor jogador da final do Mundial. Foi sem dúvida o melhor deste ano“, defendeu Diego Simeone.

Cristiano Ronaldo entre os eleitos para melhor jogador do mundo numa lista sem Messi… doze anos depois

Por fim, depois de falar de talentos confirmados e com o nome construído no futebol internacional, o técnico argentino foi confrontado com um jogador menos conhecido do comum dos mortais, mas com uma ligação única ao treinador do Atlético: Giovanni Simeone, filho de Diego Simeone.

Aos 23 anos, o avançado argentino vai brilhando na Serie A ao serviço da Fiorentina e, no passado sábado, estreou-se da melhor forma com a camisola da seleção alviceleste — 90 minutos na primeira internacionalização e um golo apontado.

“Estávamos no hotel e começou o jogo da Argentina. Emociona-me vê-lo na seleção, é uma mistura de sentimentos. É um rapaz que tem tudo para jogar comigo, mas nunca o vou trazer para a minha equipa“, explica o pai Simeone, acabando por justificar: “É muito difícil ter um filho no balneário, cada um vive a situação de maneira diferente. Tem tudo o que gosto num avançado, mas é difícil partilhar balneário. Pode ser quem um dia eu não esteja no Atlético e ele possa vir”.